Você poderá ver Urano a olho nu esta semana 


Muitos não sabem, mas às vezes é possível enxergar Urano a olho nu, embora seja uma tarefa um tanto trabalhosa. E esta semana é um bom momento para se realizar essa tarefa, principalmente na madrugada entre os dias 13 e 14.

Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno são os planetas mais fáceis de se enxergar a olho nu, e são esses os planetas conhecidos há milênios pela humanidade.

Entre eles, os mais brilhantes são Vênus e Júpiter. Ambos são extremamente brilhantes – muitas vezes os pontos mais brilhantes do céu. Vênus surge logo após o pôr do Sol, e próximo ao amanhecer. Júpiter fica mais visível nos horários mais distantes do nascer e pôr do Sol.

Mas ver Urano será uma tarefa um pouco mais complexa. O melhor horário para vê-lo é durante o início da madrugada, pois estará mais alto no céu. Diversos aplicativos podem ser usados para localizar melhor. 

Um dica é procurar por Marte, que é mais fácil de se enxergar. Veja um ponto avermelhado que não cintila. É Marte. Urano está logo abaixo. Outra dica é utilizar aplicativos de carta estelar, como Stellarium e Sky Map

Urano a olho nu, sinônimo de confusão

No entanto, não é tão simples assim de se enxergar. Não é a toa que Urano foi descoberto em uma época relativamente recente – 13 de março de 1781, mais especificamente.

Ele já havia sido observado anteriormente por diversas pessoas nos séculos anteriores. Mas ninguém o catalogou como planeta. Alguns chegaram a confundi-lo com uma estrela.

LEIA TAMBÉM: Em breve, Marte estará mais perto da Terra; saiba como observá-lo

Quem o “descobriu” foi Sir William Herschel. Na ocasião da primeira observação, em 1781, notou que ele se movia rápido de mais para ser uma estrela. Então, em 26 de abril de 1781, o classificou como um cometa.

Embora tenha havido tal confusão, ele não foi descoberto a olho nu. Foi o primeiro planeta descoberto com um telescópio. É que Urano está bastante longe, e era difícil ver muitos detalhes com os telescópios da época.

Além disso, um astrônomo alemão chamado Johann Elert Bode, que mais tarde também viria a se tornar membro da Royal Society, também entrou na brincadeira das observações daquele novo e misterioso objeto encontrado. 

Após muitas observações, Bode percebeu que aquela órbita não poderia ser de um cometa. Portanto, era um planeta. A órbita era quase circular, e um cometa possui a órbita extremamente achatada.

Planetas a olho nu

Embora fosse visível a olho nu em alguns momentos, por algum motivo, pensava-se anteriormente se tratar de uma estrela. E sim, é possível identificar planetas a olho nu.

A primeira e mais notável diferença está na forma do brilho de cada um. Via de regra, uma estrela cintila bastante, enquanto o brilho de um planeta é bem mais estático.

LEIA TAMBÉM: Como diferenciar estrelas, planetas e satélites no céu?

Planeta é uma palavra que vem do grego, e significa errante, vagabundo. Os planetas receberam esse nome pois eles se movimentavam de mais pelos céus, e não eram tão regrados quanto as estrelas. 

Por essa diferença na órbita que diversos povos sabiam que tratava-se de algo diferente das estrelas. E por isso que um planeta não chama-se “redondeta” – planeta não tem nada a ver com a palavra plano.

Justamente por essa capacidade de fácil distinção entre estrelas e planetas, é estranho que tantas pessoas tenham confundido Urano com uma estrela, mesmo no passado. 

Com informações de Space.com e NASA.

 

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica