Urso da Era do Gelo é encontrado totalmente preservado na Sibéria


Um achado impressionante

Os restos mortais foram encontrados na ilha e serão analisados ​​por especialistas da universidade federal russa NEFU, em Yakutsk. Atualmente, a NEFU está liderando pesquisas sobre mamutes e rinocerontes extintos. Segundo os cientistas, as novas descobertas têm importância mundial para o estudo na área. Com elas, os cientistas têm esperança de conseguir o DNA dos animais.

Sobre a grande descoberta, a pesquisadora do Instituto de Ecologia Aplicada da NEFU, Lena Grigorieva, afirmou: ‘Hoje esta é a primeira descoberta desse tipo, uma carcaça inteiramente intacta de urso, com tecidos moles. E está totalmente preservada, com todos os órgãos no lugar, incluindo até o nariz.” Mas, normalmente, apenas crânios e ossos são encontrados em expedições. Por isso, achado é algo que terá repercussões em todo o mundo. Os pesquisadores da universidade NEFU detêm os direitos da descoberta.

(Imagem: NEFU)

Um estudo está sendo preparado para a carcaça. Todos os métodos modernos de pesquisa científica em genética, seja molecular, celular ou microbiológica, têm utilidade na pesquisa. Aliás, a descoberta está tendo relevância tão grande quanto o estudo do mamute Malolyakhovsky, de acordo com a cientista Grigorieva.

O DNA de ursos-das-cavernas que viveram há mais de 35 mil anos é importante, por exemplo, para determinar por que os ursos-das-cavernas desapareceram. Para isso, estuda-se como a população desse animal variou ao longo do tempo, o que pode ser deduzido a partir do DNA.

Alguns pesquisadores comparam os genomas de ursos da caverna com o de ursos pardos. Se eles estiverem mostrando mais semelhança entre si do que com os ursos‑polares, então deve haver hibridização entre as duas espécies.

(Imagem: NEFU)

Nos últimos anos, com o derretimento do permafrost na Sibéria, os cientistas têm encontrado vários restos de animais como mamutes, rinocerontes lanosos, potros da idade do gelo e leões das cavernas.

LEIA MAIS: Rinoceronte-lanudo foi a última refeição deste filhote de 14.000 anos



Fonte Socientifica