Casa Ciências Um novo dispositivo portátil revela o calor da pimenta

Um novo dispositivo portátil revela o calor da pimenta

por Alberto Lima


Um gadget é capaz de detectar a capsaicina, composto que ajuda a dar ardor para as pimentas. O novo dispositivo em forma de pimentão sinaliza, de forma rápida, se adicionar pimenta à refeição pode deixar sua boca em chamas.

Logo, o nome dele é Chilica-pod e consiste em um dispositivo que detecta a capsaicina, um composto químico que faz a pimenta arder, às vezes, muito. Em geral, quanto maior for a quantidade de capsaicina na pimenta, mais picante ela fica. O pod de Chilica é sensível, então detecta níveis extremamente baixos da molécula ígnea, relataram os pesquisadores na ACS Applied Nano Materials.

Algum dia, o dispositivo poderá ser utilizado para testar refeições cozidas ou pimentas frescas, diz o químico analítico Warakorn Limbut, da Universidade Prince of Songkia em Hat Yai, Tailândia. A utilidade do dispositivo vai além de saber a picância da pimenta: pessoas alérgicas à capsaicina podem usar o gadget para evitar o composto. Ou os agricultores podem testar pimentas colhidas para indicar melhor seu sabor picante, diz ele.

Medição do tempero relativo da pimenta

Normalmente, o tempero relativo da pimenta é transmitido em unidades de calor Scoville. Mas essa medida determinada por um painel de provadores de sabor humano é imperfeita.

Outros métodos mais precisos para determinar também o sabor picante são demorados e com equipamentos caros, o que deixam os métodos inadequados para uma resposta rápida.

O pod Chilica portátil é compatível com smartphone. Ele foi construído por Limbut e seus colegas e seu sensor do instrumento é feito por pilhas de folhas de grafeno.

LEIA TAMBÉM: 3 maneiras de emagrecer rapidamente com base na ciência

Um dispositivo portátil em forma de pimentão determina os níveis de tempero da pimenta medindo a capsaicina. Imagem: ACS APPLIED NANO MATERIALS

Como ele funciona? Ao adicionar uma gota da solução de pimenta malagueta e etanol no sensor, a capsaicina da pimenta dispara o movimento dos elétrons entre os átomos de grafeno. Quanto mais capsaicina a solução tiver, mais forte será a corrente elétrica através das folhas.

O Chilica-pod registra essa atividade elétrica e, assim que sua haste é plugada em um smartphone, envia as informações para um aplicativo a fim de realizar a análise. O dispositivo pode identificar níveis de capsaicina tão baixos quanto 0,37 micromoles por litro de solução. Um teste mostrou que essa é a quantidade equivalente em uma pimenta sem calor, mostrou um teste.

Disposito Chilica-pod

A equipe de Limbut utilizou o pod de Chilica para medir individualmente seis pimentas secas de um mercado local. As concentrações de capsaicina nas pimentas variaram de 7,5 a 90 micromoles por litro de solução, descobriu a equipe.

Concluindo, ao traduzir para unidades de calor Scoville, o intervalo corresponde ao tempero de pimentas como serrano ou pimenta de Caiena. Essas são variedades suaves em comparação com a ardente Carolina Reaper, uma das pimentas mais quentes do mundo.

O geneticista de plantas e criador de pimenta na New Mexico State University, em Las Cruces, observou que a capsaicina é apenas um dos 24 compostos relacionados ao calor da pimenta. Ele não estava envolvido na pesquisa, mas disse esperar que o dispositivo pudesse ler todos eles.

Estudo publicado na Applied Nano Materials.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies