Um adolescente engoliu um corpo estranho e ele perfurou seu coração


Um adolescente sentiu dor no peito e descobriu que tinha ingerido um pequeno corpo estranho: ele havia engolido um alfinete de costura enquanto costurava suas roupas e nem percebeu.

Os médicos só encontraram o alfinete alguns dias depois e em um lugar muito incomum — no seu coração.

Dor aguda no peito

agulha de costura
Uma agulha de costura. (Imagem: Pixabay)

O jovem de 17 anos foi ao pronto-socorro após sentir dor aguda no peito por três dias. O relato do caso foi publicado em 29 de julho no The Journal of Emergency Medicine.

Segundo o adolescente, a dor no peito irradiava para as costas e piorava ao deitar ou respirar profundamente. Então, os médicos ficaram preocupados com os resultados de um eletrocardiograma (EKG), ou teste de atividade elétrica do coração, que foram anormais.

A princípio, as suspeitas eram de que o paciente tivesse perimiocardite ou inflamação do músculo cardíaco e da membrana circundante.

Assim também, os testes de laboratório mostraram que o adolescente tinha níveis elevados de proteínas no sangue que poderia indicar uma lesão cardíaca.

Objeto estranho identificado

alfinete de costura alojado no coração
Uma tomografia computadorizada do tórax do menino mostrando o alfinete de costura alojado no coração (seta). (Imagem: Elsevier (2020))

Mas uma tomografia computadorizada de tórax mostrou que havia um “objeto estranho metálico linear” alojado em seu coração, disse o relatório.

O objeto tinha cerca de 3,5 centímetros de comprimento e se projetava para fora do ventrículo direito do coração, ou a câmara direita inferior do coração, que bombeia sangue para os pulmões.

Inicialmente, o adolescente disse aos médicos que não havia ingerido nenhum objeto estranho, nem experimentado algum trauma físico no peito.

Mas, em uma entrevista posterior, ele revelou que faz suas roupas sob medida e às vezes coloca alfinetes de costura na boca.

Ainda assim, ele não se lembrava de ter ingerido um alfinete.

Ingestão de corpo estranho

O menino passou por uma cirurgia de coração para remover o objeto e, assim, os médicos descobriram ser um alfinete de costura.

Corpos estranhos já foram encontrados no coração antes, mas em crianças e adolescente são raros, também segundo o relatório.

Em 2016, médicos na China relataram o caso de uma mulher de 48 anos que sofreu um derrame após uma agulha perfurar seu peito e ficar presa no coração. Esse caso foi relatado pela Live Science.

retirada de corpo estranho
Adolescente engoliu o alfinete enquanto costurava. (Imagem: Pixabay)

Esse novo caso parece ser um dos primeiros em que o paciente, sem saber, engole uma agulha e ela perfura seu coração.

Os médicos acreditam que o alfinete migrou diretamente de seu estômago para o coração, embora possa ter migrado de outro local ao longo do trato gastrointestinal, como do esôfago ou do intestino delgado, como relata a Dra. Bonnie Mathews, autora principal do novo relatório.

Em conclusão, os autores dizem que seu relatório pode ter implicações para o tratamento de objetos cortantes que são engolidos.

As diretrizes atuais dizem que objetos pontiagudos devem ser removidos se estiverem causando sintomas. Caso contrário, alguns médicos afirmam que ele provavelmente passará pelo trato gastrointestinal sem complicações e o paciente precisaria apenas ser monitorado.

Mas o novo caso considera seriamente a remoção de todos os corpos estranhos gástricos pontiagudos e lineares ingeridos para evitar complicações devido à migração, afirma os autores do relatório.

Felizmente, o adolescente se recuperou após a cirurgia, sem complicações, disse Mathews.

O artigo científico foi publicado no periódico The Journal of Emergency Medicine. Com informações de Live Science.

 

 

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica