Casa Tecnologia TIM defende reforma tributária, mas rechaça inclusão seletiva de telecom

TIM defende reforma tributária, mas rechaça inclusão seletiva de telecom

por Alberto Lima


A TIM defende a necessidade de uma reforma tributária, em especial com a consideração de que não se deve implicar em aumento da carga para um setor considerado essencial para o País. Durante o 34º Seminário Internacional ABDTIC nesta segunda-feira, 16, o diretor tributário da TIM, Gustavo Alves, lembrou que a operadora tem propostas de emendas e preocupações a respeito.

Para Alves, a melhor proposta dentre as que estão sendo consideradas no momento é a proposta de emenda constitucional (PEC) 45/2019. “Quando a gente fala de 25% de alíquota por IBS para a tributação para receitas, nos parece ser um número aceitável. Mas ainda é posição preliminar, pois ainda não temos todo o detalhamento que precisamos para avaliar”, declara. 

Alves ressalta contudo que nenhuma proposta teria tocado no impacto dos fundos setoriais, e lembra que as operadoras já se movem ao encontro digital. “Algumas receitas do setor já começam a ter configuração diferente da receita pura de telecom”. 

Por outro lado, a PEC 110 causa preocupação por conta da inclusão dos serviços de telecomunicações como parte do imposto seletivo, para além da alíquota proposta de 30%. “Essa suposta seletividade tem talvez muito mais uma função arrecadatória do que adequação tributária”, avalia o diretor da TIM, ressaltando ainda que esse caráter não teria compatibilidade com a essencialidade do serviço determinada pelo governo federal no início da pandemia. “Apoiaríamos a PEC 110 caso a alíquota fosse semelhante à PEC 45 (25%) e fosse excluído essa seletividade.”

O pior dos cenários, na avaliação de Gustavo Alves, seria a proposta do governo para a criação da Contribuição de Bens e Serviços (CBS). Com a alíquota de 12% em substituição apenas do PIS/Cofins, um aumento em relação ao 7% da alíquota neutra, a interpretação é que aumentaria a carga para o setor de telecom “de forma bastante expressiva”. Especialmente considerando que ainda há incerteza sobre os demais tributos sobre receita. 

Propostas e preocupações

Por meio de associações como a Conexis, o setor de telecomunicações tem apresentado propostas para a reforma tributária, explica Gustavo Alves. Ele coloca que, além da exclusão do imposto seletivo previsto na PEC 110, as empresas sugerem limitação constitucional à criação de taxas, a vinculação à arrecadação de Cides e a uniformização da carga tributária. 

No outro espectro, há preocupações com o que Alves entende ser uma “discussão política muito forte para se ter uma consolidação seja qual for a proposta”. Para ele, é necessário um alinhamento maior principalmente quanto a destinação da arrecadação. 

Mas o diretor tributário da TIM explica que não vai ser uma tarefa fácil chegar a um consenso no contexto do pacto federativo e extinção do ICMS, por exemplo. “Porque efetivamente sempre terão os estados que lideram [em arrecadação], e situações econômicas distintas entre estados com carga industrial maior, ou mais consumidores. Não é um equilíbrio fácil”, declara.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies