Casa Ciências Suborno existia na Roma Antiga, mostra inscrição em pedra

Suborno existia na Roma Antiga, mostra inscrição em pedra

por Alberto Lima


A Roma Antiga conquistou diversos territórios e contava com um poderoso exército, isso quase todo mundo sabe. Agora, chama atenção uma descoberta feita na Bulgária, em uma antiga cidade romana, que revela o suborno pago a um imperador. O achado recente ajuda os pesquisadores a compreender um novo ponto da história da cidade, pouco antes da Crise do Terceiro Século.

Na década de 1920 arqueólogos encontraram uma estela de pedra com 3 metros de altura, monumento que veio da antiga cidade romana de Nicópolis ad Istrum, 18 km distante de Veliko Ternovo, no norte da Bulgária. Contudo, foi quebrada em quatro pedaços e contava com uma inscrição romana de 37 linhas esculpida em grego.

Uma equipe de pesquisadores búlgaros começou a estudar a estela e finalmente conseguiram decifrar os dizeres. Ela era uma cópia em pedra de uma carta enviada pelo imperador Septimus Severus (145-211 d.C.) e seus dois filhos ao povo de Nicópolis ad Istrum. Era algo de muito prestígio e que certamente foi comemorado pelos moradores da região.

O que diz a inscrição em pedra da Roma Antiga?

Na inscrição da Roma Antiga, o imperador agradece ao povo da cidade pelo apoio financeiro. Eles haviam pagado a ele um valor considerado suborno, que foi tratado como um presente do povo. O imperador havia nascido no norte da África e virou o único governante do Império Romano após o assassinato do tirano Commodus.

Foram “doados” 700 mil denários, a moeda de prata romana padrão até a segunda metade do século 3 d.C. Hoje o valor seria de alguns milhões de dólares ou euros. E a inscrição traz outro detalhe interessante: “aceitei este dinheiro dado por pessoas bem-intencionadas”, escreveu o imperador.

Septimus era um homem que não hesitava em destruir aqueles que cruzavam o seu caminho. Antes de chegar ao trono, haviam apoiado um de seus rivais, possivelmente Pertinax. Então, a entrega do suborno foi uma maneira de conquistarem a confiança do imperador.

Os especialistas indicaram ainda que na inscrição em pedra existe uma “mentira política”. Ele se apresenta como herdeiro do grande imperador Marco Aurélio (governou 161-180 d.C.). Contudo, não tinha relação alguma com Marco, já que tomou o poder e fundou a sua própria dinastia.

Nicópolis ad Istrum: do auge ao abandono

As inscrições imperiais na estela ajudaram os historiadores com dados preciosos sobre Nicópolis ad Istrum. Pensam que a cidade foi construída pelo imperador Trajano (governo 98-117 d.C.) após a vitória nas Guerras Dácias. De fato, Nicópolis era um importante centro militar e protegia o Império Romano contra tribos que viviam no outro lado do rio Danúbio.

Parte das ruínas de Nicópolis ad Istrum. Foto: Adobe Stock.

O suborno funcionou em um primeiro momento, já que a cidade prosperou durante o governo de Septimus. Contudo, logo após, no reinado de Caracala (188-217 d.C.) a cidade entrou em desgraça. A cidade foi completamente abandonada no século 7 e apenas no 19 começou a ser estudada por arqueólogos.

Conforme a Arqueologia da Bulgária, a estela “revelou conter o único texto autêntico totalmente preservado de uma carta de imperadores romanos que já foi encontrado na Bulgária”. Por fim, hoje ela pode ser vista pelo público que visita as ruínas de Nicópolis.

Com informações de Ancient Origins.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies