Stonehenge realça sons como vozes ou música dentro do monumento


Um novo estudo sugere que o antigo monumento Stonehenge criou um espaço acústico amplificador de vozes.

Ele teria a capacidade de melhorar o som de qualquer música tocada para as pessoas dentro do enorme círculo de pedras.

Pedras de Stonehenge

Stonehenge em uma camara de som

A forma como as pedras foram colocadas não projeta falas ou músicas além de Stonehenge, relataram cientistas para o Journal of Archaeological Science.

Ou seja, os sons não são projetados nem mesmo para quem está próximo ao círculo de pedras.

Para explorar a dinâmica do som de Stonehenge, o engenheiro acústico Trevor Cox e seus colegas usaram varreduras a laser do local e evidências arqueológicas para construir um modelo físico com um décimo de segundo do tamanho do monumento real.

VEJA TAMBÉM: ‘Círculos de madeira’ de 4.500 anos são encontrados em Portugal

Cox trabalha na maior réplica em escala possível construída dentro da câmara acústica da Universidade de Salford, na Inglaterra.

Esta sala simula os efeitos acústicos da paisagem aberta ao redor de Stonehenge e do solo compactado dentro do monumento.

O modelo foi apelidado de Stonehenge Lego por Cox.

Desse modo, a base da construção foi estimada pelo total de 157 pedras colocadas no local do monumento, cerca de 4.200 anos atrás.

Os pesquisadores 3-D imprimiram 27 pedras de todos os tamanhos e formas.

Em seguida, a equipe usou moldes de silicone desses itens e gesso misturado com outros materiais para recriar as 130 pedras restantes.

As pedras simuladas foram construídas para minimizar a absorção do som, assim como as pedras reais em Stonehenge, disse Cox.

Simulação da acústica

modelo de acústica simulado

Finalmente, a equipe montou com alto-falantes e microfones os vários pontos dentro e fora do Stonehenge Lego.

Consequentemente, os alto-falantes emitiam sons agudos que iam de frequências baixas às altas.

A intenção era simular como a modulação do som interage com as pedras no modelo da mesma forma como o som natural se comporta no Stonehenge real.

Apesar das muitas lacunas entre as pedras, os sons permaneceram dentro do Stonehenge Lego, conforme a equipe descobriu.

O tempo de reverberação, uma medida do tempo que o som leva para cair em 60 decibéis, foi em média de 0,6 segundos dentro do modelo para sons de frequência média.

Logo, esse efeito teria aumentado a capacidade de ouvir vozes e sons aprimorados de bateria ou outros instrumentos musicais, disse Cox.

Como comparação, o tempo de reverberação atinge cerca de 0,4 segundos em uma sala de estar, cerca de 2 segundos em uma grande sala de concertos e cerca de 8 segundos em uma grande catedral.

O modelo Stonehenge Lego também não projetou sons na área em volta e também não aumentou a qualidade dos sons de alto-falantes externos.

Enfim, os sons não ecoaram no modelo em escala. Ainda mais, os grupos internos de pedras bloqueiam a formação de eco.

Embora o novo estudo tenha sido realizado ‘com cuidado e rigor’, ainda restam dúvidas sobre os efeitos sonoros de Stonehenge, como disse o musicólogo Rupert Till, da Universidade de Huddersfield (Inglaterra) e que conduziu pesquisas anteriores.

Mais pesquisas precisam desvendar, por exemplo, por que Stonehenge cantarola quando o vento sopra forte, diz ele.

O estudo foi publicado no Journal of Archaeological Science. Informações da Science News.

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica