Casa Tecnologia Senador mantém isenção de Fistel, Condecine e CFRP para dispositivos de IoT

Senador mantém isenção de Fistel, Condecine e CFRP para dispositivos de IoT

por Alberto Lima


Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. À bancada, em pronunciamento, senador Vanderlan Cardoso (PP-GO). Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) publicou nesta quinta-feira, 24, seu relatório do PL 6.549/2019, mantendo a proposta de isentar de pagamento de Fistel, Condecine e CFRP os dispositivos de Internet da Coisas (IoT) e máquina a máquina (M2M). Com a publicação do relatório, resta aguardar a votação da matéria na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado.

O texto do projeto de lei, que já veio da Câmara dos Deputados, é de autoria do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) e também propõe a dispensa do licenciamento prévio destes dispositivos para o seu funcionamento, o que também foi mantido no relatório publicado por Cardoso nesta quinta-feira.

“O cadastro com finalidade técnica para dispositivos de IoT, contudo, não se fará necessário, pois essas estações utilizam frequências e serviços de telecomunicações existentes, para os quais o órgão regulador já expediu regulamentação. No que se refere à fiscalização tributária, o próprio projeto propõe desonerar integralmente os dispositivos de M2M, de forma que a formação de cadastro proporcionada pelo licenciamento prévio das estações perde o propósito. Em outra perspectiva, a dispensa de licenciamento descaracteriza o fato gerador da taxa de fiscalização para esses terminais, o que reforça o argumento”, finaliza Vanderlan.

Mudança de destinação

Vanderlan Cardoso resolveu manter a proposta original do projeto de lei originado na Câmara porque também observa que existe por parte do governo uma mudança de destinação para estes tributos arrecadados, levando cerca de 90% da arrecadação do Fistel  como fonte para pagamento do serviço da dívida ou redirecionada para outras aplicações.

“O fato é que parte desse excesso de arrecadação do Fistel [originada pela atual base de celulares ativos no país] com taxas de fiscalização foi transformada em contribuições dos serviços de telecomunicações a outras atividades. Registre-se que a maior parcela desses recursos tem sido objeto de contingenciamento orçamentário, com vistas a preservar o equilíbrio fiscal”, diz o senador na justificativa do projeto.

Soma

Pela regulamentação setorial vigente, cada dispositivo conectado é considerado como uma estação de telecomunicações, e sua ativação e seu funcionamento são fatos geradores das mencionadas taxas e contribuições. “Quando se ativa um dispositivo de IoT, por exemplo, a operadora ao qual ele está vinculado deverá recolher aos cofres públicos os seguintes valores: R$ 5,68 de Fistel; R$ 3,22 de Condecine e R$ 1,34 de CFRP”, argumenta o senador.

Somado os valores das contribuições, chega-se ao total de R$ 10,24 anuais. Na avaliação do senador, a anuidade parece irrelevante, mas a partir do momento que ela é aplicada a uma base de centenas de milhões de estações, no caso, os milhares de dispositivos de IoT, torna-se extremamente onerosa à atividade econômica e, ao mesmo tempo, desnecessariamente elevada como fonte de receita para as atividades de fiscalização e de fomento às quais deveria se destinar. A Anatel está discutindo maneiras de retirar barreiras regulatórias para estes dispositivos.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies