Casa Tecnologia Rede neutra de fibra da Vivo pode crescer via aquisições

Rede neutra de fibra da Vivo pode crescer via aquisições

por Alberto Lima


A expansão da empresa de redes neutras de fibra ótica estruturada pela Vivo pode ocorrer também através de aquisições, caso oportunidades de mercado apareçam. A informação foi compartilhada pelo CEO da operadora, Christian Gebara, durante conferência sobre os resultados do terceiro trimestre nesta quarta-feira, 28.

“Ainda não vimos um alvo que combine com nossa estratégia, mas assim que tivermos o veículo [de redes neutras] operando, a InfraCo, parte do crescimento pode ser em expansão através de M&A. Vamos estar sempre checando ativos”, afirmou Gebara, quando questionado sobre o tema. Vale destacar que o ativo da Vivo não deve se confundir com a homônima InfraCo, cujo controle acionário está sendo vendido pela Oi.

De acordo com o executivo, “vários investidores” já demonstraram interesse em ingressar como o sócio procurado pela Vivo no projeto, o que deixaria a empresa “otimista” sobre as perspectivas. A previsão é que a rede neutra esteja operacional já em 2021, como foco em cidades médias fora do estado de São Paulo.

Mais com menos

Com a estratégia, a Vivo espera atingir 24 milhões de casas atendidas (HPs) com fibra ótica até 2024, sendo 5 milhões em contribuição da operação de redes neutras. A empresa terminou o terceiro trimestre com 14,6 milhões (após 1,5 milhão de adições nos três meses) e projeta encerrar 2020 com 16 milhões de HPs. A rede de FTTH da Vivo está em 244 cidades, devendo alcançar 268 ao fim do ano.

Durante a conferência, Gebara notou que o volume de HPs ao fim do ano será maior que os 14 milhões anteriormente prometidos para o período. Isso mesmo com a redução nos investimentos da companhia, que no acumulado de nove meses já aponta para queda de 17,4%.

“Isso prova nossa habilidade de fazer mais com menos“, afirmou o executivo, destacando foco total no FTTH em detrimento de outras tecnologias de redes fixas, como cobre e fibra até o gabinete (FTTc). Naturalmente, o impacto da pandemia de covid-19 também teve influência na queda dos investimentos, de acordo com Gebara – assim como ocorre em concorrentes.

Gebara relata que os números de presença do FTTH não compreendem parcerias como a celebrada com a American Tower, que vai entregar 800 mil HPs para a Vivo em Minas Gerais, nem o modelo de franquias ao lado de ISPs. O presidente da operadora ainda relatou um acordo com a Phoenix Tower, mas sem entrar em maiores detalhes. A empresa de infraestrutura também atua com redes neutras de fibra.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies