Casa Ciências Quando a mãe está feliz, seu cérebro se sincroniza com o do bebê

Quando a mãe está feliz, seu cérebro se sincroniza com o do bebê

por Alberto Lima


As ondas cerebrais de mães e bebês podem trabalhar em conjunto como uma ‘megarrede’, sincronizando quando eles interagem. O nível de conectividade varia de acordo com o estado emocional da mãe.

Na expressão de emoções positivas, seu cérebro fica muito mais conectado com o de seu bebê. Isso pode ajudar o bebê na aprendizagem e no desenvolvimento.

Essas são informações da pesquisa publicada na revista NeuroImage. Os pesquisadores usaram o método eletroencefalograma duplo para observar os sinais cerebrais em mães e bebês enquanto interagiam entre si.

Descobertas da pesquisa

A descoberta foi que mães e bebês tendem a sincronizar suas ondas cerebrais, um efeito conhecido como conectividade neural interpessoal, particularmente na frequência de 6-9 hertz (faixa infantil).

Desse modo, observando as qualidades e a estrutura da conectividade neural interpessoal usando um método matemático de análise de rede, os pesquisadores viram como a informação fluía dentro de cada cérebro separado. E também como os dois cérebros operavam juntos como uma rede.

Imagem: Universidade de Cambridge.

Mães e bebês tendem a passar muito tempo juntos e em um estado emocional positivo, no qual os cérebros estão demasiadamente conectados. Então, o estudo descobriu que a interação positiva, com contato visual, aumenta a capacidade dos cérebros dos dois de operarem como um único sistema.

Com isso, o fluxo de informações e compartilhamento são eficientes entre a mãe e o bebê. A médica que liderou o estudo, Dra. Vicky Leong, do Departamento de Psicologia da Universidade de Cambridge, explicou o resultado do trabalho anterior. Já se sabia que, quando a conexão neural entre mães e bebês é forte, os bebês são mais receptivos e se mostram prontos a aprender com suas mães.

Nesta fase da vida, o cérebro do bebê tem a capacidade de mudar significativamente ainda. E essas mudanças são impulsionadas, justamente, pelas experiências dele.

Tom emocional

Ao usar o tom emocional positivo com seus bebês, os pais se conectam melhor com seus filhos no momento das interações sociais. Por conseguinte, desenvolvem a capacidade mental de seus bebês.

Ou seja, bebês de mães deprimidas podem evidenciar menos aprendizagem por causa da conexão neural fraca entre a mãe e a criança. Porque as mães que experimentam um estado mental persistentemente baixo ou negativo devido à depressão clínica, tendem a ter menos interação com o bebê.

LEIA TAMBÉM: Mães com ovários policísticos tem maiores chances de ter filhos com autismo

Outros motivos são: o tom de sua fala costuma ser mais neutro, não há muito contato visual e a mãe é menos propensa a responder quando o bebê tenta chamar a sua atenção.

A dra. Leong diz que nossas emoções mudam a maneira como nossos cérebros compartilham informações com os outros, literalmente. Logo, as emoções positivas nos ajudam a nos comunicar de uma forma muito mais eficiente.

Concluindo, a depressão pode ter um efeito fortemente negativo na capacidade dos pais de estabelecer essas conexões com seus bebês. Assim, todas as pistas sociais que promovem a conexão estão menos disponíveis para a criança, que acaba não recebendo o estímulo emocional considerado ideal para o seu desenvolvimento.

A pesquisa foi publicada na revista NeuroImage.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies