Casa Tecnologia Projeto de rede neutra da TIM está avaliando propostas não vinculantes

Projeto de rede neutra da TIM está avaliando propostas não vinculantes

por Alberto Lima


O projeto da TIM de separação industrial para criar uma empresa de infraestrutura fixa em fibra ótica com abordagem de rede neutra, a FiberCo, está em fase de avaliação de propostas não vinculantes. Apesar disso, o presidente da operadora, Pietro Labriola, acredita que o fechamento de um acordo com algum dos interessados deverá acontecer “nos primeiros meses de 2021“. 

Conforme contou o CFO da TIM, Adrian Calaza, durante teleconferência de resultados financeiros nesta quarta-feira, 4, as primeiras propostas não vinculantes recebidas vieram “provavelmente um pouco acima das nossas expectativas, o que aumenta muito o interesse”. 

O executivo ainda não falou em recebimento de propostas vinculantes, mas diz que há discussões com “diferentes desenhos para essa infraestrutura“, o que poderia tornar a negociação mais interessante para a TIM. “Ainda pode acontecer muita coisa, mas estamos bem felizes com o que já temos.”

O recebimento de ofertas não vinculantes foi iniciado em setembro. Mas a expectativa anterior era de projetos assinados até o fim deste ano. Calaza diz que o cronograma do projeto continua em linha com o planejado em março, quando foi anunciado.

Há a possibilidade de um pequeno atraso de dois meses, diz, mas que é “normal e nada para se preocupar”. No momento, a operadora está negociando para poder receber novas ofertas. “Estamos já discutindo com diferentes companhias interessadas.”

Janela de oportunidades

A proposta inicial da TIM é de uma configuração na qual 51% do capital dessa nova empresa de rede neutra seja do novo parceiro. A ideia é acelerar o investimento em cobertura de fibra sem impactar os números da própria TIM. “É também uma oportunidade para a gente, pois aumentando a cobertura, melhora a nossa capacidade de vender em outras áreas do País”, destaca Labriola. 

A estimativa do executivo é que haja uma janela de oportunidade nos próximos 12 a 24 meses para a captura de investimentos. O executivo destaca que a iniciativa da TIM se diferencia porque “é um dos poucos que associa a capacidade de investimento com um cliente que pode garantir um mínimo de retorno”, uma vez que se mantém contrato com a própria operadora. “Quando começa a investir sem um cliente âncora, aumenta o risco.”



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies