Casa Ciências Por que e como espaço é um vácuo? 

Por que e como espaço é um vácuo? 

por Alberto Lima


O espaço é um vácuo quase perfeito, e essa ideia proposta causou polêmica, em diversos momentos da história. É difícil se conceber a ideia de algo gigantesco repleto de nada.

Por mais que os cientistas observaram o universo como um gigantesco vazio, ainda havia uma importante questão sobre a mesa: a luz. E até pouco tempo atrás, a respostas estava na Antiguidade.

Sabia-se que a luz é uma onda. Mas as ondas, como o som, geralmente precisam de um meio de propagação. No caso do som, o meio de propagação é o próprio ar da atmosfera.

Entretanto, os cientistas não conseguiam explicar como a luz poderia andar pelo espaço. Como ela sai do Sol e chega até a Terra? Qual deve ser o meio de propagação do universo?

Na antiguidade grega, Aristóteles havia proposto o Éter. Ele acreditava que o espaço não poderia ter um vazio total de matéria, por isso criou a ideia do éter, que permeia todo o espaço.

O éter tornou-se, portanto, o quinto elemento. A matéria era constituída, segunda a concepção deles, pelos quatro elementos (água, fogo, terra e ar). E o éter permearia as regiões vazias. 

No final século XIX, sabia-se que a matéria era constituída por átomos, e não pelos quatro elementos. No entanto, a ideia do éter ainda era atrativa para se explicar a movimentação da luz.

Somente no século XX, com a concepção da dualidade onda-partícula que se pôde explicar o universo sem o éter. A luz não é só uma onda, mas também é uma partícula – o fóton. Já o som não é uma partícula. Por isso a luz se propaga no vácuo.

Mas como existe o vácuo?

O universo é um grande vazio. E seria assim mesmo que a matéria fosse distribuída de forma uniforme. A densidade do universo é de 5.9 prótons por metro cúbico (mil litros).

Mas a matéria não possui uniformidade na distribuição graças à gravidade. Einstein mostrou que o universo é como um tecido. E nós estamos todos distribuídos nesse tecido. A gravidade nada mais é do que a deformação nesse tecido.

Portanto, desde os primórdios do universo, as coisas se atraem. É por causa da gravidade que a matéria forma as estrelas e os planetas. E é por causa também da gravidade que as estrelas e os planetas se juntam e formam galáxias. As galáxias, por sua vez, formam os aglomerados de galáxias. 

Em resumo, quanto maior a massa de um corpo, maior a sua gravidade, e maior a sua capacidade de “cooptar” a matéria pelo entorno, como o Sol faz com os planetas.

Vale lembrar, no entanto, que nessa ideia de vácuo, não entra a concepção da matéria escura, pouco compreendida. Falamos apenas da matéria bariônica, ou seja, a matéria comum, palpável.

E embora a matéria esteja tão aglomerada, mesmo o espaço sideral não é um vácuo perfeito. Há algumas partículas perdidas por aí, vagando sozinhas pelo universo.

O vácuo perfeito, na prática, não existe. É difícil controlar a matéria a esse ponto, mesmo em laboratório. Um vácuo quase ideal é o máximo que conseguimos chegar de um vácuo, pelo menos nos dias de hoje.

Com informações e MARTINS, R. e Live Science.

 



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies