Casa Tecnologia PL propõe que clientes pós-pago forneçam dados biométricos às operadoras

PL propõe que clientes pós-pago forneçam dados biométricos às operadoras

por Alberto Lima


Projeto de Lei do deputado Nereu Crispim (PSL-RS) amplia para usuários de celular pós-pago a necessidade de cadastro atualizado de dados pelas operadoras. Atualmente, a Lei 10.703/03 só prevê cadastramento de usuários de celulares pré-pagos. O projeto também traz outras exigências, como o fornecimento de foto e a coleta da impressão digital do usuário por biometria – sem justificar como isso pode ser mais benéfico do que danoso.

No PL 3.027/2020, de autoria do deputado Nereu Crispim (PSL-RS), além de todos os usuários terem necessidade de estar em cadastro atualizado das operadoras, há um aumento das exigências, como o cadastro do endereço profissional e número de autenticação do chip. O cadastro de atuais usuários deve ser feito em até 60 dias da promulgação da lei, e não mais 90 dias como estabelece a legislação atual.

Segundo Crispim, é necessário efetuar o controle mais rígido da identificação dos proprietários de celulares para evitar abusos em práticas ilícitas. “A utilização de perfis falsos na Internet, além de possibilitar vantagens indevidas dos titulares, é a principal estratégia de espalhar fake news”, disse.

A proposta afirma que reconhece a importância da privacidade, mas diz haver “sérios riscos e ameaças a este direito, inclusive diante das próprias empresas de telecomunicações e de Internet”. Crispim não fundamenta as alegações, tampouco explica como a coleta de dados biométricos sensíveis – utilizados inclusive para desbloqueio e autenticação de aplicativos bancários para celulares – poderia ajudar, e não violar a privacidade.

Penalidades

As operadoras deverão verificar todas as informações dadas pelos usuários antes da ativação ou transferência do chip do aparelho. A multa para quem não repassar os dados em até 24 horas sobe dos atuais R$ 500 para R$ 2 mil.

O projeto ainda altera o Código Penal para triplicar a pena do crime de falsa identidade quando ela é usada para contratar serviços de telefonia para fins ilícios. Assim, a pena de detenção chegar a três anos, além de multa.

(Com informações da Agência Câmara)



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies