Casa Tecnologia PL das Fake News: Câmara dos Deputados apresenta novo texto

PL das Fake News: Câmara dos Deputados apresenta novo texto

por Alberto Lima


Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

[Publicado no Mobile Time] O coordenador do grupo de trabalho que se debruça sobre o Projeto de Lei das Fake News (2.630/2020) na Câmara dos Deputados, o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), apresentou nesta segunda-feira, 21, um substitutivo ao texto do Senado de 20 páginas com uma série de mudanças. Entre elas, um maior detalhamento da estrutura que poderá fazer a autorregulação regulada.

Vale dizer que o texto do Senado já previa o Conselho de Transparência e Responsabilidade na Internet. Porém, no novo substitutivo, a equipe de deputados detalhou melhor como será a instituição de autorregulação regulada que trabalhará em parceria com o Conselho de Transparência. Cabe ao conselho, por exemplo, “reconhecer e certificar a entidade de autorregulação que atenda aos requisitos previstos nesta Lei”, além de “monitorar e fiscalizar as atividades da entidade de autorregulação, podendo revogar a sua certificação, de modo fundamentado, em caso de reiterada desconformidade com os requisitos previstos nesta Lei”, como dito no novo texto. A entidade será formada por provedores de aplicação associados.

Confira o art. 10 da seção III do texto:

Os provedores de aplicação de que trata esta Lei devem adotar mecanismos de governança para prevenir abusos e violações aos seus termos de uso, compreendendo medidas para a classificação e tomada de decisão sobre conteúdos e contas na plataforma, incluindo equipe adequada de moderadores e ferramentas computacionais confiáveis, canal digital para recebimentos de denúncias e procedimento em plataforma digital própria ou no âmbito de instituição de autorregulamentação reconhecida pelo Conselho de Transparência e Responsabilidade na Internet, que disponibilize mecanismos de revisão e devido processo sobre suas decisões de moderação.

A autorregulação foi inspirada no modelo alemão no combate ao discurso de ódio, mas que, segundo Silva, possui uma relação grande no enfrentamento à desinformação.

Punições

O substitutivo também prevê multas e sanções mais severas que as propostas pelo senado. Além de advertências educativas, com prazo para adoção de medidas corretivas, o texto impõe reclusão de um a cinco anos para quem financiar e para quem espalhar notícias falsas, colocar em risco a vida, a integridade física e moral das pessoas. Em um caso extremo, as multas podem chegar a 10% do faturamento dessas empresas, tento o ano anterior como referência. E, caso haja, de fato o pagamento de multa, o dinheiro arrecadado deverá seguir para o Ministério da Educação (MEC), onde serão “empregados em projetos de educação midiática e informacional, conforme regulamento”, segundo o texto proposto pela Câmara dos Deputados.

Valorizar a notícia

Para valorizar e priorizar a transparência, as plataformas na Internet – como as redes sociais, ferramentas de busca e serviços de mensageria – deverão remunerar conteúdos jornalísticos que forem utilizados pelos provedores de aplicação de Internet. A remuneração deve ir ou para as empresas jornalísticas ou para os profissionais autônomos.

Relatórios semestrais

Outra proposta do novo texto da Câmara dos Deputados é a realização de relatórios de transparência que os provedores devem fazer a cada seis meses “de modo a informar procedimentos e decisões relativas à moderação de conteúdos, bem como as medidas empregadas para o cumprimento desta lei”, como determina o substitutivo. E, se for necessário, pode ser um prazo menor, “como em casos de calamidade pública ou em período eleitoral”, complementa o texto.

Agentes públicos

Há ainda um capítulo dedicado à atuação do poder público nas plataformas de Internet. Segundo o novo texto, os agentes públicos também deverão ser responsabilizados pelo mau uso das plataformas na Internet. Isso porque as redes sociais de agentes públicos são de interesse público.

Confira aqui o texto na íntegra: PL Combate a Fake News_Câmara dos Deputados 21092020.

Pesquisa

Vale lembrar que, na última pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel, que pela primeira vez abordou o tema das fake news, 76% dos brasileiros que usam WhatsApp concordam que o aplicativo deveria entregar para a Justiça os dados de quem compartilha notícias falsas. O assunto ganha a importância com a proximidade de mais um período eleitoral, e diante das inúmeras campanhas de difamação que viralizaram nos últimos meses no Brasil, ao mesmo tempo em que se acelerou no Congresso a discussão em torno de uma lei para coibir a divulgação de notícias falsas pelas redes sociais e aplicativos de mensageria.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies