Pelo menos 11 espécies de peixes podem andar fora da água


A descoberta para biólogos da possibilidade de um peixe que anda fora da água existir ainda os fascina, mesmo após 430 milhões de anos do primeiro peixe ter decidido caminhar.

Por isso, pode ser útil a descoberta que alguns peixes têm corpos adequados para locomoção terrestre.

Já em 1985, os cientistas descobriram uma espécie que chamaram de peixe-caverna escalador de cachoeiras (Cryptotora thamicola). Ele vivia em cavernas profundas sob a província de Mae Hong Son, na Tailândia.

Capacidade adaptativa torna possível o peixe caminhar fora da água

O peixe C. thamicola, como outros habitantes de cavernas, perdeu sua visão, mas compensa sendo capaz de escalar afloramentos rochosos para ficar entre corpos d´água dentro do ambiente da caverna.

Outros peixes desenvolveram a capacidade de pular da água e dar alguns saltos na terra usando caudas, mas nada semelhante a uma caminhada real.

Em 2016, um estudo sobre a forma como C. thamicola se locomove descobriu que ele tem uma grande cintura pélvica semelhante aos animais terrestres e anda como a marcha de quatro patas (direito frente e atrás esquerdo juntos).

No entanto, ele usa suas barbatanas para se mover apenas na água.

peixe anjo da caverna

Zachary Randall, do Museu da Flórida, questionou se essa espécie de peixe desenvolveu a anatomia por conta própria ou se ela foi construída sobre uma estrutura pré-existente encontrada em espécies relacionadas.

O peixe-caverna escalador de cachoeira é o único de seu gênero conhecido, mas pertence à família de botias de correnteza. Então, Randall e outros estudaram as estruturas ósseas de outras botias.

Do mesmo modo, no Journal of Morphology há o relato deles e de 10 outras botias com cinturas pélvicas fortes o suficiente para suportar o peso dos peixes saindo da água.

Capacidade genética

Geralmente, os peixes não têm nenhuma conexão entre a coluna e a nadadeira pélvica, explica Randall em um comunicado.

Antes também se tinha a concepção que o peixe anjo das cavernas era totalmente único e esse artigo mostra que cinturas pélvicas robustas são mais comuns do que pensávamos na família das botias, e com muitos detalhes, diz ele.

VEJA TAMBÉM: Tamboril: o peixe que se funde para acasalar

Mais de 100 botias de correnteza são conhecidas, portanto, esta é uma característica rara, mesmo neste ramo da árvore genealógica.

A autora principal Callie Crawford, estudante de PhD do New Jersey Institute of Technology, observou que as características físicas das botias variam de acordo com a espécie, mas elas compartilham a capacidade genética de se adaptar a ambientes fluviais de fluxo rápido.

Por exemplo, muitos peixes – como as espécies ameaçadas de extinção de peixes-mão da Tasmânia – “caminham” ao longo do fundo do oceano ou lago. No entanto, a flutuabilidade da água segura a maior parte de seu peso e isso requer muito menos ajuste da estrutura espinhal de um peixe convencional.

 

 

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica