Casa Tecnologia Para Viasat, pandemia alterou modelo de negócios para Internet em aviões

Para Viasat, pandemia alterou modelo de negócios para Internet em aviões

por Alberto Lima


Foto: Pixabay

Uma das frentes de negócio da Viasat, o fornecimento de Internet em aviões, naturalmente registrou impacto da pandemia por conta das restrições e reduções de viagens. Por outro lado, segundo o VP de mobilidade comercial da companhia, Don Buchman, a crise da covid-19 também acabou por acelerar uma mudança no modelo de negócios desse segmento, que agora encontra uma tendência de oferta de conectividade “gratuita” nos voos em vez do modelo “pré-pago” de acesso

O modelo de negócios até então era mais focado no acesso pago na hora pelo passageiro, o que resultava em uma taxa de uso de apenas 5% a 10% dos passageiros. Algumas empresas oferecem conexão gratuita, mas apenas para aplicativos de mensagens, e sem poder baixar conteúdo de mídia. 

“No mundo pós-covid, todos querem ficar conectados”, declarou Buchman nesta terça-feira, 6, durante painel no Congresso Latinoamericano de Satélites, evento organizado por TELETIME. Agora, as empresas procuram ir ao modelo de oferecer a banda larga a todos sem a barreira inicial da necessidade de compra de créditos. “Vai mudar para obter valor por outras formas, como serviços terceiros com propagandas, de forma que os passageiros tenham o acesso gratuito da mesma forma que têm a uma água ou refrigerante”, declara, citando que o preço poderia ser embutido também na própria passagem aérea – afinal, alguém terá de pagar pela conectividade.

Sem intermediários

Para Don Bunchman, a Viasat acerta em uma abordagem focada na conectividade, permitindo atender à demanda de capacidade com investimentos dedicados. A operadora oferecer a solução fim a fim, sem integradores, “para que a gente possa entregar o produto final de forma mais otimizada”. 

No Brasil, a companhia tem parceria com a companhia aérea Azul e a fabricante Embraer. A Viasat assinou acordo em novembro do ano passado para entregar serviços em mais de 100 aeronaves Airbus A320neo e Embraer E195-E2. No mundo, são 12 companhias, naturalmente com um foco nos Estados Unidos. 

Casos de uso

O executivo da Viasat argumenta que no voo também é necessário ter formas de conectividade para se preparar ao chegar em diferentes localidades, observando as regras locais de distanciamento social e funcionamento de transportes públicos, por exemplo. 

Outra situação é a de pagamentos por aproximação para serviço de bordo, além de aplicativos que tragam integração com serviços – como solicitar a atenção de um comissário, por exemplo. A conectividade também inclui aplicações de maior demanda de dados, como conferência de vídeo e mesmo streaming de entretenimento. “É um mercado muito empolgante para nós, mesmo na pandemia”, declara Buchman.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies