Casa Ciências os EUA estão fora do Acordo Climático de Paris

os EUA estão fora do Acordo Climático de Paris

por Alberto Lima


No dia 4 de novembro de 2020, os EUA saíram oficialmente do Acordo Climático de Paris. Mesmo sendo o segundo maior emissor de carbono do planeta.

O governo Trump anunciou a decisão em julho de 2017, mas apresentou formalmente a notificação às Nações Unidas em novembro de 2019.

Só que um país não pode formular um aviso de retirada antes de três anos de sua data de início. Então, a data mais próxima para a saída acabou sendo a data da eleição nos EUA: 4 de novembro de 2020. Contudo, Joe Biden, o recém-eleito presidente dos EUA, prometeu o retorno ao Acordo.

Acordo Climático de Paris

O objetivo principal do Acordo de Paris é cortar, em um limite pré-determinado, as emissões de gases do efeito estufa. Desse modo, diminuindo a temperatura global.

Os EUA haviam assinado o acordo climático em 2016, ao lado de diversas nações. No entanto, agora ela é a primeira nação a se retirar do acordo.

A decisão deixa os Estados Unidos isolados em seu desafio contra à realidade científica e causa danos reais às pessoas, além de danos à economia e ao planeta. Essa afirmação foi feita por Rachel Cleetus, diretora de política da União dos Cientistas, em um comunicado.

Alagamentos. (cottonbro/Pexels)

A negação da realidade e a forma como o governo Trump minimiza as ameaças da mudança climática são constantes. Embora, somente nesse ano, milhões de americanos tenham sido impactados por ela.

Por exemplo, os incêndios florestais bateram recorde e o Atlântico sofreu com mais tempestades.

Sem os EUA, a tarefa de cortar as emissões globais fica substancialmente mais complicada. O país perde apenas para a China, emitindo cerca de 15% das emissões totais de dióxido de carbono do mundo.

O argumento de Trump para essa saída foi achar que o acordo climático era um “mau negócio” para os EUA. Em julho de 2017, ele disse ser injusto com os Estados Unidos o resultado final. Segundo ele, o acordo transfere empregos de carvão para países estrangeiros.

Impacto de destruição

Nos primeiros nove meses de 2020, os custos dos 16 eventos climáticos extremos foram de, pelo menos, US$ 1 bilhão. Sobretudo, foram cerca de 200 mortes na população. Principalmente, entre as camadas de baixa renda, disse Cleetus.

Cleetus ainda acrescentou que a falta de medidas drásticas, de acordo com a ciência, resultará em impactos climáticos cada vez mais terríveis nos próximos anos.

Os países, ao adotarem o acordo de Paris, definem metas individuais de redução das emissões. O propósito é impedir o aumento do clima da Terra em mais de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais até 2100.

emissão de gases
(Marcin Jozwiak/Pexels)

Quando Obama assinou o acordo, prometeu cortar as emissões para 26% abaixo do nível de 2005 até o ano de 2025 nos EUA. A meta, assim como a de outros países, pretendia aumentar com o tempo.

Desde que Trump assumiu o governo, as autoridades trabalham para amenizar regulamentações ambientais e diminuir os limites de poluição.

Joe Biden, se cumprir sua promessa, os EUA levará apenas 30 dias para retornar ao Acordo Climático de Paris após a posse, em 20 de janeiro de 2021.

A China, maior responsável pelas emissões mundiais de carbono (26%), anunciou como objetivo a neutralidade do carbono até 2060.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies