Casa Tecnologia Oi reduz receitas; fibra passa a ser maior que DTH

Oi reduz receitas; fibra passa a ser maior que DTH

por Alberto Lima


Logotipo da Oi

No terceiro trimestre de 2020, a Oi voltou a apresentar queda nas receitas, mas reduziu o prejuízo, conforme balanço financeiro apresentado pela operadora no final da noite da quinta-feira, 12. Apesar do resultado, os segmentos nos quais a operadora tem concentrado esforços, como o da fibra e o pós-pago, mostraram resultados positivos comparado ao mesmo período do ano passado. O FTTH, por exemplo, passou a ser a segunda maior receita da tele, superando o DTH.

A receita líquida do Grupo Oi totalizou R$ 4,706 bilhões, uma queda de 5,9% no comparativo anual. Já nos nove meses do ano, foi de R$ 13,998 bilhões, redução de 8%. A receita líquida de serviços caiu 6% no trimestre, totalizando R$ 4,620 bilhões. E em nove meses, reduziu 7,9%, ficando em R$ 13,776 bilhões. 

O segmento residencial observou queda de 9,8% no trimestre (total de R$ 1,625 bilhão) e 12,2% no acumulado (R$ 4,862 bilhões). Já a mobilidade pessoal caiu menos: 3,2% (R$ 1,706 bilhão) e 4,1% (R$ 5,072 bilhões), respectivamente. O corporativo (B2B) mostrou ainda uma redução de 4,7% (R$ 1,294 bilhão) e 7,6% (R$ 3,876 bilhões). 

A Oi segrega ainda as receitas por serviço. Como tem sido tendência, o cobre e a TV por satélite são os grandes responsáveis pelas pioras nos resultados. No primeiro caso, considerando tanto a voz fixa quanto a Internet, a queda trimestral foi de 32,6%, fechando o trimestre com uma receita total de R$ 867 milhões. De janeiro a setembro, esse segmento teve receita 29,8% menor, com total de R$ 2,882 bilhões.

Fibra x DTH

Já a receita do DTH caiu 14,3% no trimestre, somando R$ 375 milhões. A receita acumulada de 2020 foi de R$ 1,148 bilhão, 11,3% menor do que igual período de 2019. 

Enquanto isso, a fibra mostrou um avanço relevante, passando a ter mais peso do que o DTH pela primeira vez. Entre julho e setembro, o FTTH acumulou receita de R$ 383 milhões, um aumento de 387,8%. De janeiro a setembro, a fibra aumentou ainda mais: 487,4%, somando R$ 832 milhões. 

Dessa forma, a fibra passou a ter uma participação de 24% do total do segmento residencial, sendo assim a segunda maior. Segundo a Oi, esse crescimento sequencial não era observado desde o terceiro trimestre de 2017.

Casas conectadas

A companhia atingiu 7,9 milhões de homes passed com fibra em setembro, o que representa uma adição de 1,1 milhão apenas no trimestre e média mensal acima de 382 mil. A Oi diz que foi o quinto semestre consecutivo com mais de um milhão de adições líquidas. 

O total de acessos FTTH foi de 1,75 milhão, dos quais 1,66 milhão são do segmento residencial. Isso representa uma taxa de ocupação (take up rate) de 22,2%. Somente no trimestre, foram adicionados 446 mil clientes.

Mobilidade

A receita de pós-pago foi a única a crescer no segmento de mobilidade, totalizando R$ 924 milhões, aumento de 3,7% no trimestre. No acumulado do ano, totalizou R$ 2,759 bilhões, avanço de 7,4%. “As ofertas regionalizadas, simplificação, inovação, intensificação comercial, e o refarming da faixa de frequência de 1,8 GHz para o 4G e 4,5G são os principais fatores que continuam possibilitando os resultados positivos do pós-pago, além da estratégia mencionada de aceleração da migração de clientes pré-pago para pós-pago e a reabertura das lojas”, diz a Oi em comunicado.

Por sua vez, o pré-pago caiu 9,6% e 13,4%, ficando respectivamente no trimestre e nove meses com R$ 687 milhões e R$ 2,004 bilhões. Segundo a empresa, o principal fator da redução é a política de incentivos para migração para o pós-pago. Apesar desse resultado, a Oi diz que há “fortes sinais de recuperação”, comparando com o primeiro trimestre de 2020, antes da pandemia.

A operadora encerrou setembro com 23,840 milhões de acessos em pré-pago, uma redução de 7,1% na base. Já o pós-pago subiu 9,6%, total de 9,899 milhões de linhas. 

Prejuízo aumenta

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) da Oi foi de R$ 1,485 bilhão entre julho e setembro, revertendo um resultado negativo de R$ 1,447 bilhão no mesmo período de 2019. No acumulado do ano, foi de R$ 4,743 bilhões, o que mostra um aumento de 82,5%. A margem EBITDA ficou em 31,% e 33,9% no trimestre e no ano, respectivamente.

Considerando-se o EBITDA de rotina, o total foi de R$ 1,462 bilhão (aumento de 6,4%) e R$ 4,354 bilhões (queda de 5,4%). A margem EBITDA subiu 3,6 pontos percentuais e ficou em 31,1% no trimestre, mesmo resultado no acumulado do ano, que por sua vez mostrou aumento de 0,9 p.p. em comparação com igual período de 2019.

Os investimentos totalizaram R$ 2,011 bilhões no trimestre, redução de 2,6%; e R$ 5,563 bilhões nos nove meses, redução de 4,9%. Mas a maior parte foi para a fibra, que totalizou R$ 1,389 bilhão (aumento de 59,4%) e R$ 3,582 bilhões (avanço de 63,2%). 

Assim, o prejuízo líquido da Oi foi de R$ 2,580 bilhões, o que foi 55,4% menor do que o apresentado no terceiro trimestre do ano passado. Em nove meses, o prejuízo foi maior, contudo: R$ 12,327 bilhões, contra R$ 6,814 bilhões em 2019.

A dívida líquida, por sua vez, cresceu 3,1% em relação a junho, encerrando setembro com R$ 21,243 bilhões. Comparado ao ano passado, o aumento foi de 50,4%. A Oi justifica: “Em ambos os períodos a elevação decorre principalmente da desvalorização do Real vs o Dólar, de 3,0% e 35,5%, respectivamente. Soma-se a isso os efeitos usuais de ‘accrual’ de juros e da amortização do ajuste a valor presente (AVP), que contribuem para o crescimento da dívida a cada trimestre. O comparativo anual, em particular, também é impactado pelo desembolso da debênture da Oi Móvel em janeiro de 2020, cujo saldo totalizou R$3.758 milhões em setembro.”



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies