Casa Ciências O primeiro buraco negro fotografado parece estar cintilando

O primeiro buraco negro fotografado parece estar cintilando

por Alberto Lima


No ano passado, ocorreu algo sem precedentes na história do planeta: fotografamos o primeiro buraco negro. Mas agora surgiram novas evidências que apontam que ele tem um brilho oscilante e parece estar cintilando.

M87: o primeiro buraco negro fotografado

Depois de muito trabalho duro, com a tecnologia de observação sendo levada ao limite, os cientistas conseguiram obter a primeira imagem de um buraco negro. Foi realmente algo histórico, possível apenas após  vários anos de esforço e planejamento. Mas nem todos sabem que a imagem final foi construída por dados de apenas uma semana de observações, em 2017.

O projeto Event Horizon Telescope (EHT) iniciou em 2006, com o objetivo de observar as imediações do buraco negro Sagitário A*, no centro da Via Láctea, e do buraco negro Messier 87, ou M87. Em 2009, o M87 já estava sendo observado utilizando protótipos, mas essas primeiras observações não coletaram dados suficientes para formar uma imagem. Somente em 2019 a primeira imagem pôde ser formada, a partir de observações de dois anos antes. O M87 foi então o primeiro buraco negro a ser fotografado na história.

Cientistas analisam a imagem

Ao observar a imagem, os pesquisadores esperavam um resultado, que era previsto pela relatividade geral. Seria um efeito que diz respeito à sombra do buraco negro – o círculo escuro no meio do anel, onde acredita-se estar o horizonte de eventos. Teoricamente, a sombra deveria ficar permanente ao longo do tempo, mantendo o mesmo diâmetro. E essa previsão realmente se concretizou, no entanto outro resultado inesperado surgiu.

Quando os cientistas analisaram a imagem do M87, eles perceberam que uma parte do anel está muito mais brilhante, deixando um aspecto “crescente”. De acordo com a ciência, o anel é feito de poeira e gás, que alimentam continuamente o buraco negro. O brilho desigual é também um efeito previsto pela relatividade geral, chamado efeito Doppler. O astrônomo Maciek Wielgus, do Harvard Smithsonian Center for Astrophysics, deu algumas explicações sobre as expectativas dos cientistas.

“Com base nos resultados do ano passado, fizemos as seguintes perguntas: essa morfologia em forma de crescente é consistente com os dados de arquivo? Os dados de arquivo indicariam tamanho e orientação semelhantes?”, disse Maciek Wielgus.

Mas a parte inesperada aconteceu quando os astrônomos analisavam a mudança do anel ao longo do tempo. Eles descobriram que havia dados suficientes para fazer uma simulação, e mostrar que o brilho do anel variava.

Um resultado inesperado

Ao fazer a simulação, a equipe descobriu que essa região brilhante se move ao longo do tempo, parecendo oscilar ou cintilar. Os cientistas atribuíram então esse fenômeno à turbulência no fluxo da matéria, de acordo com Wielgus.

“Como o fluxo da matéria é turbulento, o crescente parece oscilar com o tempo. Na verdade (…) nem todos os modelos teóricos (…) permitem tanta oscilação. Isso significa, portanto, que podemos começar a descartar alguns modelos (…).”, disse Maciek Wielgus.

VEJA MAIS: O que aconteceria se você caísse em um buraco negro?

Várias coisas podem causar essa turbulência observada. Ela pode ocorrer, por exemplo, devido a instabilidade magnética, rotacional ou a um desalinhamento no giro do buraco negro. Além disso, pode também estar relacionada a jatos relativísticos. Estes, por sua vez, são fluxos de plasma dentro do anel, acelerados ao redor do horizonte de eventos e lançados para o espaço a velocidades relativísticas.

Os dados de outro telescópio, com observações de 2018, estão atualmente em análise. Ainda mais observações, com dois telescópios, acontecerão no próximo ano.

A pesquisa foi publicada no The Astrophysical Journal. Com informações de Science Alert.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies