Casa Ciências O oceano ártico não formou gelo em outubro de 2020

O oceano ártico não formou gelo em outubro de 2020

por Alberto Lima


Apesar de ser outubro, o oceano Ártico não formou gelo como de costume. Consequentemente a situação preocupa, pois é a primeira vez na história que o Mar de Laptev não congela nessa época do ano.

O aumento do derretimento anual

O derretimento das geleiras no Ártico vem crescendo mais a cada ano. Entretanto, a situação esse ano ficou ainda pior com a presença de ondas de calor que fizeram as temperaturas aumentarem 10ºC a mais que a média. Como resultado desse verão muito quente o oceano Ártico ainda não formou gelo na sua principal região (Mar de Laptev – Sibéria).

Durante os meses de verão é normal que o gelo do oceano ártico derreta. No entanto, com o aumento do derretimento, existe uma previsão que entre 2030 e 2050 ele tenha verão sem gelo.

O caminho do gelo

O gelo formado pelo Ártico segue um caminho do inverno a primavera. Ele congela na região norte da Sibéria, se espalha pelo Mar de Laptev e derrete no Estreito de Fram (Svalbard e a Groenlândia). Consequentemente, com a formação tardia de gelo esse ano, é esperado que o gelo derreta antes de chegar ao seu destino final.

O mais importante é que durante esse trajeto o gelo carrega muitos nutrientes essenciais para vida marinha, como o plâncton. Como resultado haverá uma diminuição da retirada do dióxido de carbono da atmosfera. Portanto teremos um efeito estufa ainda maior, causando mais calor e menos gelo.

Por que o Ártico não formou gelo

O verão intenso desse ano causou o derretimento mais cedo do gelo do Mar de Laptev. Isto fez aumentar a área de água descoberta absorvendo luz do sol. Portanto, foi registrado águas com temperaturas acima de 5ºC da média. Consequentemente, com águas mais quentes, o congelamento do Ártico no inverno acaba atrasando.

Oceano Ártico derretido (Pikist)

O gelo que formará poderá ser fino, pois não terá tempo de engrossar. Portanto, é grande a possibilidade de um derretimento antecipado no ano que vem. Isto provocaria um próximo verão com mais águas descobertas e quentes, um congelamento ainda mais tarde no inverno e um maior efeito estufa.

O problema é um ciclo que precisa de ações urgentes. De acordo com Zachary Labe “2020 é um ano com rápidas mudanças no Ártico. Sem uma redução dos gases de efeito estufa a probabilidade de nosso primeiro verão ‘sem gelo’ continuará a aumentar em meados do século 21 “(Ifl Science, 2020).



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies