Casa Ciências O milionário que desenvolveu diamantes “feitos de céu”

O milionário que desenvolveu diamantes “feitos de céu”

por Alberto Lima


Claro que isso não é literal, até porque o céu como algo tocável nem existe. O que chamamos de céu é praticamente uma ilusão da perspectiva de visão do espaço a partir da Terra. No entanto, o multimilionário Dale Vince descreve assim o seu projeto de desenvolvimento de diamantes sintéticos sustentáveis – diamantes “feitos de céu”.

Vince diz que faz os diamantes com carbono, água e energia extraído a partir de uma “instalação de mineração do céu”, localizada na cidade de Stroud, na Inglaterra. E bom, na verdade ele não extrai nada do céu, mas da atmosfera – a atmosfera sim é palpável. Ele extrai o dióxido de carbono (gás de efeito estufa) da atmosfera, coleta a água da chuva e utiliza energia elétrica obtida a partir da energia eólica e energia solar.

O dióxido de carbono (CO2) não é tão potente como gás de efeito estufa, em comparação com gases como o metano, se em quantidade iguais. No entanto, emitimos tanto CO2, que ele torna-se o principal responsável pelo aquecimento global. O efeito estufa é bom, pois ele quem mantém a Terra em uma temperatura habitável. No entanto, um efeito estufa amplificado destruirá a humanidade, além de grande parte da fauna e flora do planeta.

A própria extração de diamantes da natureza adiciona mais carbono à atmosfera. O diamante surge na natureza através do carbono sob muita pressão. Então, pressione o carbono em laboratório e você terá diamantes. A natureza leva bilhões de anos – um laboratório, um piscar de olhos. Não extraia diamantes, utilize diamantes “feitos de céu”.

Diamantes, puro carbono

Sabe qual é a fórmula do diamante? Carbono, assim como o grafite, o grafeno, além de diversos outros tipos de materiais. Chamamos diferentes materiais compostos pelos mesmos átomos de alótropos. O que muda entre eles são as ligações e os arranjos dos átomos. Ou seja, se diferenciam apenas estruturalmente.

Bom, já que o carbono compõe o diamante (que possui um mercado bilionário), por que não imitar as plantas? Sequestrar o CO2 da atmosfera, utilizar o carbono e liberar oxigênio de volta para a atmosfera é um dos principais papéis das plantas – em parte das florestas, mas principalmente das algas marinhas. Isso é algo bastante inteligente.

(Jeff Moore/Borkowski/PA).

É claro que fabricar diamantes não acabaria com o aquecimento global. No entanto, há um lado excelente no projeto de Vince. A parte boa de seu plano é tornar o sequestro de carbono mais comum. Quero dizer que, não é uma fábrica de diamantes que acabaria com o aquecimento global. Até porque produzir tanto diamante causaria uma diminuição de preços e, consequentemente, não haveria mais nada para continuar a financiar o projeto.

No entanto, tornar o sequestro de carbono em um produto pode democratizar a tecnologia. O método é extremamente caro. Algumas empresas petroleiras o fazem, e inserem o carbono de volta no subsolo, após extrair o petróleo. Mas o fazem em um quantidade muito menor do que a emitida. Tornar isso comercialmente viável abriria as portas para a produção de outros compostos baseados em carbono em laboratório, como plásticos, o grafeno, entre outros materiais úteis para a indústria.

E a quantidade dos diamantes “feitos de céu”?

“Fazer diamantes com nada mais do que o céu, com o ar que respiramos – é uma ideia mágica e evocativa – é a alquimia moderna”, diz Vince ao jornal britânico The Guardian. “Não precisamos minerar a terra para ter diamantes, podemos minerar o céu”.

Vince gosta de atuar nas novidades ‘eco-friendlies’. Além do diamante “feito de céu”, ele também é dono da Ecotricity, empresa especializada na produção de energia a partir de fontes limpas e do  Forest Green Rovers, o primeiro time de futebol vegano da Grã Bretanha.

Ele espera produzir cerca de 200 quilates por mês utilizando o gás carbônico (cerca de 40 gramas), e quer aumentar para 1000 quilates (200 gramas) ao mês, futuramente. Parece pouco, mas segundo o Serviço Geológico do Brasil, o quilate do outro pode chegar a 63 mil dólares, dependendo da qualidade. Isso quer dizer que produzir 1000 quilates por mês traria ganhos até superiores aos 50 milhões de dólares ao mês – sem descontar os gastos de produção. Mas é claro, se muita gente passar a produzir diamantes sintéticos, em algum momento o preço cairá.

Com informações de The Guardian e BBC.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies