Casa Esportes Novidade na seleção, Ary Borges quer influenciar luta contra raci

Novidade na seleção, Ary Borges quer influenciar luta contra raci

por Alberto Lima


Convocada pela primeira vez para a seleção principal, Ary Borges quer dar exemplo dentro e fora de campo. No gramado, a meio-campista é uma das revelações da nova geração do futebol feminino e um dos destaques do Palmeiras na Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro. Além disso, a jogadora de 20 anos é ativa na luta contra o preconceito, seja ele de gênero ou racial, e deixa isso claro nas redes sociais. Na entrevista coletiva que concedeu na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), onde está reunida com a seleção, não foi diferente.

“Quando falo sobre esses assuntos, muito sobre racismo, que é algo constante nos últimos dias, saio um pouquinho do lado Ary como atleta e entro mais no lado Ary como pessoa, que acaba usando esse lado atleta para influenciar outras pessoas a falar sobre isso. Infelizmente, é por infelicidades que acontecem, por mortes, por casos de racismo no esporte, mas é bacana que mais atletas estejam se pronunciando. O futebol é o maior influenciador em nosso país. Há muito tempo o assunto merecia essa importância”, afirma.

Apesar de ser uma das novidades da técnica Pia Sundhage para o período de treinos na Granja Comary, iniciado no último dia 14, Ary não é novata quanto o assunto é seleção. A meia é parte de uma geração que disputou o Mundial sub-20 de 2018, na França, ao lado da zagueira Tainara, da lateral Isabella e da meia-atacante Victória Albuquerque, que também integram a equipe da sueca.

“É muito importante essa transição da sub-20 para a principal. A gente fica feliz de ver que as meninas da nossa geração estão tendo oportunidade de mostrar o trabalho. É algo que é muito cobrado, de meninas mais novas terem chance na seleção. A gente está aqui para mostrar nosso trabalho, que temos muito o que aprender e dar também, para ajudar nessa renovação. Estou muito feliz por ter vindo e mais ainda ao saber que elas puderam vir comigo. Estamos colhendo os frutos do que fizemos na sub-20 e também na sub-17”, avalia Ary.

Devido às restrições de viagem em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19), Pia Sundhage só pôde chamar atletas que atuam no Brasil. O objetivo de Ary é seguir entre as convocadas da técnica quando a sueca tiver todas as atletas à disposição. “Tenho vivido um grande momento e tenho sentido isso. Estou aqui para ajudar, quero me consolidar, virar frequente na seleção, porque acho que com a experiência que ela [Pia] tem, posso contribuir muito com o que ela planeja na seleção”, destacou.

“Desde que a gente chegou aqui, vários assuntos foram tratados, entre eles, a questão da transição do meio-campo. Por ser da minha posição, óbvio que eu posso muito contribuir com isso. Mas, estou aqui também para mostrar que posso ajudar em outras fases do campo e deixar uma pulguinha atrás da orelha dela [Pia], caso precise de alguém para essa questão do jogo”, finalizou a meio-campista.

Nova chance

Outra novidade na convocação de Pia foi a defensora Pardal. Experiente, a jogadora do Corinthians, que completa 27 anos em outubro, havia sido chamada apenas uma vez – em 2017 –  pela então técnica Emily Lima. De lá para cá, foi eleita a melhor zagueira do último Campeonato Brasileiro e a melhor da posição nos Paulistas de 2018 e 2019. Mesmo assim, a oportunidade com a sueca a pegou de surpresa.

“É algo que eu não esperava para este ano, pelo fato de terem acontecido algumas coisas pessoais e pela pandemia. Recentemente, perdi meu pai. Mas, vida que segue. Eu realmente esperava oportunidade anos anteriores e não tive. Entreguei nas mãos de Deus e a chance veio. Estou muito feliz e quero abraçar a chance, buscar uma vaga na Olimpíada [de Tóquio, no Japão, em 2021]. Se não for para ser, continuarei trabalhando, pois haverá outras e estarei em campo”, declarou Pardal, também durante entrevista coletiva.

Para assegurar presença em Tóquio, a defensora se colocou à disposição para atuar em outros setores do campo. A polivalência das atletas é uma das características que Pia Sundhage mais procura, já que só 18 jogadoras podem ser convocadas para a Olimpíada. “Sou zagueira, mas se ela precisar que jogue em outras funções, com certeza, estarei aqui para ajudar. Comecei a carreira como volante, é uma posição que sei fazer também”, garantiu Pardal, que vê semelhanças entre o estilo da técnica sueca e o do técnico Arthur Elias, do Corinthians.

“Cada um tem sua forma de jogar, seus princípios, mas [a forma da Pia] não foge muito [à do Corinthians]. Intensidade o tempo todo, ficar com a bola, recuperar rápido. São coisas que venho fazendo há bastante tempo. É manter o que ela pede. Está sendo um aprendizado muito grande”, reconheceu a zagueira.

 

Bola rolando

O período de treinos na Granja Comary segue até esta terça-feira (22). Clubes que tiveram jogadoras convocadas para as seleções principal e sub-20 – que está reunida em Pinheiral (RJ) – só voltam a jogar pelo Brasileiro a partir de quarta-feira (23). Único jogo a envolver times sem representantes nas duas listas, Vitória e Flamengo abriram a décima rodada da competição nacional no domingo (20). O Rubro-Negro carioca venceu por 1 a 0, com gol da atacante Rafa Barros, aos 32 minutos do primeiro tempo.

 

O resultado levou o Flamengo ao oitavo lugar, na zona de classificação, com 15 pontos. O time, porém, ainda pode ser ultrapassado na rodada por São Paulo, São José e Cruzeiro. O Vitória permanece zerado, na lanterna da Série A1, com dez derrotas em dez jogos.

Confira AQUI a tabela de classificação da Série A1 do Brasileiro Feminino.





Fonte EBC

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies