Casa Ciências Não existem toupeiras totalmente fêmeas e novo estudo explica por quê

Não existem toupeiras totalmente fêmeas e novo estudo explica por quê

por Alberto Lima


O animal toupeira não tem um dia de descanso na luta pela sobrevivência.

Diante dos adversários, a toupeira é bem agressiva. Isso porque a evolução concedeu à toupeira feminina testículos em seus ovários, o que gera mais testosterona.

O resultado é um pedaço de anatomia chamado ovotestis.

Mudança biológica fascinante

Um novo estudo aumenta a compreensão dos pesquisadores sobre essa mudança biológica no animal toupeira.

O geneticista Darío Lupiañez, do Instituto Max Planck de Genética Molecular, relata que o desenvolvimento sexual dos mamíferos é complexo, embora eles já tenham uma ideia razoavelmente boa de como esse processo ocorre.

A certa altura, geralmente o desenvolvimento sexual progride em uma direção ou outra, masculina ou feminina.

O objetivo dos pesquisadores era descobrir como a evolução modula essa sequência de eventos do desenvolvimento e possibilita, então, as características intersexuais que vemos nas toupeiras.

O que acontece com as toupeiras? Assim como o ovário mais típico dos mamíferos, os ovotestes nutrem e liberam óvulos para fertilização.

Só que eles também têm um pedaço de tecido testicular preso de um lado.

Embora não seja capaz de produzir espermatozoides, ele possui células de Leydig, que produz uma porção de andrógenos do tamanho masculino, ou hormônios sexuais masculinos.

VEJA TAMBÉM: Este pássaro raro é macho de um lado e fêmea do outro

Normalmente, o desenvolvimento do tecido testicular em mamíferos depende da presença de um gene no cromossomo Y para aumentar a produção de testosterona no início do desenvolvimento.

O mistério no caso das toupeiras fêmeas é como isso acontece, já que elas têm dois cromossomos X, em vez de um X e Y.

A falta de um cromossomo Y torna tudo muito mais difícil para um embrião iniciar a cadeia de eventos que produz os testículos.

Como essa evolução aconteceu

Agora, uma análise aprofundada de seus genomas revela como surgiu essa peculiaridade da natureza.

A hipótese do geneticista Stefan Mundlos, do Instituto Max Planck de Genética Molecular, diz que, em toupeiras, não há apenas mudanças nos próprios genes, mas particularmente nas regiões regulatórias pertencentes a esses genes.

Para testar essa hipótese, Mundlos e seus colegas mapearam a remodelação cromossômica que a toupeira ibérica (Talpa occidentalis) sofreu para modificar seus ovários em produtores de testosterona.

remodelação cromossômica

Esse foi um exame dos conjuntos de dados que descrevem como os cromossomos inteiros das toupeiras mudaram estruturalmente.

Concluindo, o gene CYP17A1 é responsável pelos hormônios masculinos em muitas espécies e aparece três vezes no genoma da toupeira em vez de apenas uma.

Além disso, algumas seções de DNA ocorrem em locais diferentes no genoma da toupeira em comparação com outros mamíferos, mudando as circunstâncias e a extensão de sua expressão.

As descobertas são um bom exemplo de como a organização tridimensional do genoma é importante para a evolução, disse o autor sênior, Dr. Dario Lupiañez.

A natureza reorganiza e cria a característica chamada de intersexualidade.

Para a toupeira fêmea, a evolução do intersexo é o que garante a sua sobrevivência devido a maior produção de testosterona e, consequentemente, maior força para se defender.

O artigo científico foi publicado no periódico Science.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies