Casa Tecnologia ‘Meu pai tem o cabelo bem pixaim’: diz Wassef, ex-advogado da família Bolsonaro, acusado de chamar mulher de ‘macaca’ Karol Gomes Últimas Notícias Debate Debate O advogado Frederick Wassef, ex-defensor da família Bolsonaro, acusado de injúria racial por chamar uma funcionária de uma pizzaria de Brasília…

‘Meu pai tem o cabelo bem pixaim’: diz Wassef, ex-advogado da família Bolsonaro, acusado de chamar mulher de ‘macaca’ Karol Gomes Últimas Notícias Debate Debate O advogado Frederick Wassef, ex-defensor da família Bolsonaro, acusado de injúria racial por chamar uma funcionária de uma pizzaria de Brasília…

por Alberto Lima


O advogado Frederick Wassef, ex-defensor da família Bolsonaro, acusado de injúria racial por chamar uma funcionária de uma pizzaria de Brasília de macaca, diz que não é racista argumentando que já namorou uma negra, que o avô paterno era mulato, meio mulato. “Não sou racista, inclusive, meu pai mesmo tem o cabelo bem pixaim, encaracolado”, ele disse a coluna de Bela Megale, d’O Globo, insistindo na máxima furada de que somente uma família inteiramente caucasiana poderia ser racista. 

 A queixa foi registrada por uma atendente de uma loja da rede Pizza  Hut, nesta quarta-feira (11). Porém o Boletim da Polícia Civil aponta que caso aconteceu na noite de domingo (8). A vítima, que não teve sua identidade divulgada, relatou que Wassef é um cliente frequente e que é conhecido por ofender os funcionários.

– Após pressão popular, Bolsonaro revoga decreto para privatização da atenção básica

 Segunda a funcionária, na hora de ir embora do local, Wassef reclamou da pizza que tinha comido e a agrediu, verbalmente: “Você é uma macaca! Você come o que te derem!”. O gerente da loja, que acompanhou a funcionária na delegacia, confirmou no seu depoimento ter ouvido o advogado chamá-la de “macaca”, ressaltando saber de reclamações de outros funcionários sobre o cliente.

– Maju Coutinho manda papo reto sobre racismo ao noticiar prisão equivocada no Jornal Hoje

Já Wassef registrou, nesta quinta-feira (12), um boletim de ocorrência por denunciação caluniosa contra a trabalhadora. Segundo ele, a acusação é algo “arquitetado” contra ele por pessoas interessadas no dinheiro de uma futura ação indenizatória.

Ele afirma, em vídeo publicado em suas redes sociais, que a atendente foi orientada a registrar a ocorrência. “Foi a uma delegacia de polícia três dias após os fatos alegados por ela, acompanhada de advogado; um fotógrafo, que fotografou e divulgou o boletim de ocorrência vazado para a imprensa”, argumenta.

– Racismo algorítmico: o que é e quais são os impactos da discriminação racial na tecnologia

 Wassef defende que tudo não passa de uma “farsa” planejada pelo gerente da loja, que já teria tentado prejudicá-lo em outras ocasiões. Diz que “estão mentindo e armando para destruir sua imagem e reputação, me incriminar”. Ele afirma ainda que jamais destratou qualquer pessoa. “Mão sou nem fui racista, tenho grandes amigos irmãos negros. Afirmar que sou racista é uma farsa, uma mentira, um crime de calúnia. Eu sou vítima de um crime, não o autor”.

“Em nenhum momento eu chamei a moça de macaca, nem chamei de negra. Importante dizer, ela não é negra”, afirmou o advogado. Ele questiona ainda por que o episódio não teria nenhum registro de foto ou vídeo, apesar de, obviamente, ninguém ter como prever que uma cena dessas vá acontecer.

– Luísa Sonza é processada por racismo por advogada negra e fala em ‘acusação falsa’

“Já o vi me filmando, porque me reconheceu como advogado de Bolsonaro. Pelas informações que apurei, ele não gosta do Bolsonaro, é antibolsonarista radical, sempre me destratou”, diz o cliente assíduo Wassef. A atendente do Pizza Hut prestou depoimento durante a tarde desta quinta-feira (12) na 1ª DP (Asa Sul). Além dela, outras duas testemunhas também foram ouvidas pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

Já o advogado do grupo Pizza Hut, Bernardo Fenelon, que acompanhou a vítima durante o depoimento, disse à coluna que, por respeito à autoridade policial, não irá comentar o caso.

– Juíza condena homem por ser negro e diz em sentença que crimes são ‘razão de sua raça’

De acordo com o delegado-chefe da unidade policial, Marcelo Portela, as investigações ainda estão no início e, ainda é preciso analisar com calma as versões. “A vítima basicamente reafirmou o que já tinha dito no BO e as testemunhas corroboram a versão”, conta.

 Wassef ainda não tem data para ser intimado a comparecer na delegacia. Todos os elementos ainda serão analisados antes que ele seja chamado.





Fonte Hypeness

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies