Casa Ciências Meteoroide quica na atmosfera e volta ao espaço: assista ao vídeo

Meteoroide quica na atmosfera e volta ao espaço: assista ao vídeo

por Alberto Lima


Um meteoroide quica na atmosfera da Terra e retorna ao espaço. Parece história de pescador, mas isso realmente aconteceu há alguns dias. Em 22 de setembro, o meteoroide protagonizou o caso bastante peculiar, que chamou atenção da mídia e dos internautas. Um meteoroide é um fragmento de um asteroide ou um cometa. Em outras palavras, qualquer rocha menor do que um asteroide e maior do que uma molécula.

Quem flagrou foi uma câmera da Global Meteor Network (Rede Global de Meteoros, na tradução para o português). O meteoroide chegou a 91 km de altitude – abaixo de quaisquer satélites na órbita da Terra -, mais ou menos acima dos céus da Holanda e da Alemanha.

O físico Dennis Vida, pós doutor pela universidade canadense  Western University na província de Ontário, tentou rastrear a origem da rocha. Ele chegou até uma família de rochas espaciais próxima a Júpiter. No entanto, os resultados não foram muito conclusivos para se afirmar com certeza o ponto de origem de fato.

Além disso, Vida publicou, em seu Twitter, um vídeo mostrando a rota do meteoroide quicando na atmosfera da Terra. Veja:

“Um raspão na Terra acima do N da Alemanha e da Holanda foi observado por 8 câmeras #globalmeteornetwork em 22 de setembro, 03:53:35 UTC. Ele entrou na atmosfera a 34,1 km/s, atingiu a altitude mais baixa de ~ 91 km e voltou ao espaço!”, diz o tweet.

Como um meteoroide quica na atmosfera?

Embora o fenômeno não aconteça com muita frequência, ele também não é tão incomum assim. Ele ocorre eventualmente, algumas vezes por ano. Ele é chamado de Earthgrazer, e não há uma tradução exata para o português. Mas trata-se da ricocheteada na atmosfera da Terra. A maior parte das rochas espaciais entram na atmosfera e, então, são queimadas antes mesmo de chegar ao solo.

Trata-se de um fenômeno físico. É como aquelas pedrinhas que jogamos em um lago para quicar. Qualquer um que já tenha feito isso sabe que temos que jogar em um ângulo bastante aberto para que funcione. O meteoroide entra em um ângulo aberto e em uma velocidade extremamente alta. Dessa forma, portanto, não é atraído pela gravidade da Terra.

O Global Meteor Network

O Global Meteor Network é um projeto espalhado por diversos pontos do globo que visa fornecer imagens e fazer um monitoramento das rochas espaciais em tempo real. Da mesma forma, no Brasil, há um projeto semelhante, chamado BRAMON (Brazilian Meteor Observation Network), que exerce a mesma função.

Quanto à rede global, Vida explica em um comunicado da ESA: “A rede é basicamente um instrumento científico descentralizado, formado por astrônomos amadores e cientistas cidadãos de todo o planeta, cada um com seus próprios sistemas de câmeras”.

“Disponibilizamos todos os dados, como trajetórias e órbitas de meteoróides, ao público e à comunidade científica, com o objetivo de observar raras explosões de meteoros e aumentar o número de quedas de meteoritos observadas e ajudar a entender os mecanismos de entrega de meteoritos à Terra”.

Com informações de Universe Today e ESA.





Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies