Casa Ciências Metade das estrelas semelhantes ao Sol podem hospedar planetas potencialmente habitáveis

Metade das estrelas semelhantes ao Sol podem hospedar planetas potencialmente habitáveis

por Alberto Lima


Planetas potencialmente habitáveis são aqueles que, de forma consideravelmente simplista e generalista, teriam a capacidade de talvez hospedar vida. Entre os parâmetros utilizados estão a distância até a estrela, a ausência ou presença de uma atmosfera.

Mais tarde, quando nossas tecnologias evoluírem, podemos realizar análises mais aprofundadas, como a composição da atmosfera, nível de umidade, presença de oceanos, presença de campo magnético. Embora os cientistas já façam algumas análises químicas com a espectroscopia, ainda é algo bastante modesto, e há muito no que evoluir.

Por ora, estudamos com as informações que temos – informações muito mais ricas do que alguém em qualquer momento anterior da humanidade jamais teve. Já catalogamos mais de 4 mil exoplanetas, além de outros milhares aguardando a confirmação. E sabemos que há muito mais por aí – esses são somente os que conhecemos e catalogamos oficialmente.

Abrigando vida

A maior dificuldade, no entanto, é estimar quais planetas, ou sendo ainda mais amplo, quais estrelas abrigariam vida? Por exemplo, estrelas muito grandes consomem seu combustível rapidamente e vivem somente algumas dezenas de milhões de anos. Dessa forma, descartamos estrelas grandes rapidamente, já que isso é insuficiente. 

(NASA, ESA, H. Teplitz and M. Rafelski (IPAC/Caltech), A. Koekemoer (STScI), R. Windhorst (Arizona State University), and Z. Levay (STScI)).

Agora, temos as estrelas como o Sol. O Sol viverá, no total, 10 bilhões de anos. Atualmente ele possui 4,5 bilhões, ou seja, ainda está na metade da sua vida. Estrelas ainda menores do que o Sol, como as anãs brancas, são capazes de superar os 10 bilhões de anos. Portanto, para procurar vida, começamos pelas estrelas mais estáveis.

O Sol é uma estrela bastante tranquila. No entanto, mesmo assim às vezes ele coloca a vida na Terra em risco. Em 1859 uma forte tempestade solar atingiu a Terra, queimando redes elétricas e telegráficas, além de possibilitar o surgimento de auroras boreais na linha do equador. Hoje em dia, uma tempestade assim queimaria nossos satélites, computadores, além de diversos equipamentos eletrônicos expostos.

Para a vida no geral, a tempestade solar de 1859 não causou muito transtorno. A Terra nos protegeu de boa parte da tempestade, mas não de toda. Então, se fôssemos atingidos por tempestades assim de forma mais constante, nos exporíamos a muita radiação. Portanto, uma estrela ativa de mais também impossibilitaria a vida, nesse sentido.

Moral da história: quer encontrar planetas habitáveis? Procure por estrelas pequenas, chatas e monótonas.

Estimando estrelas com planetas potencialmente habitáveis

Em um novo estudo, aceito pelo periódico The Astronomical Journal, mas por ora publicado somente como preprint no arXiv, os cientistas tentam estimar a quantidade de estrelas que abrigam planetas potencialmente habitáveis. De acordo com a estimativa mais conservadora, apenas 7% das estrelas semelhante ao Sol hospedam planetas potencialmente habitáveis. Mas espera-se que esse valor supere os 50%.

A sonda Kepler, uma caçadora de exoplanetas. (NASA).

“Embora esse resultado esteja longe de ser um valor final, e a água na superfície de um planeta seja apenas um dos muitos fatores que sustentam a vida, é extremamente emocionante calcular que esses mundos são tão comuns com tanta confiança e precisão”, explica em um comunicado Steve Bryson, autor principal do estudo.

Com dados do Telescópio Espacial Kepler, um caçador de exoplanetas que operou entre 2009 e 2018, os cientistas analisaram a ocorrência de planetas rochosos com um tamanho entre 0,5 e 1,5 vezes maior do que a Terra em regiões habitáveis de estrelas semelhantes ao Sol, com temperaturas entre 4.527 e 6.027 graus Celsius na superfície.

Uma estimativa conservadora é a de que há 0,37 a 0,60 planetas por estrela semelhante ao Sol. A segunda estimativa que os cientistas fizeram, mais otimista, diz haver entre 0,58 e 0,88 planetas potencialmente habitáveis por estrela. Na média, podemos dizer, então, que cerca de metade das estrelas semelhantes ao Sol abrigam esses planetas.

O estudo, já disponível no arXiv, será publicado no The Astronomical Journal. Com informações de de Space.com e NASA.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies