Casa Tecnologia Maia recebe anteprojeto que regula tratamento de dados em investigações criminais

Maia recebe anteprojeto que regula tratamento de dados em investigações criminais

por Alberto Lima


O presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) recebeu nesta quinta-feira, 5, o anteprojeto de lei (confira o texto na íntegra aqui) que regulamenta o tratamento de dados pessoais no âmbito da segurança pública e investigações criminais. Entre as recomendações está a instituição de uma autoridade de supervisão independente no CNJ, a Unidade Especial de Proteção de Dados em Matéria Penal (UPDP).

A proposta foi elaborada pela Comissão de Juristas criada no âmbito da Câmara dos Deputados e regulamenta o disposto no artigo 4°, inciso III, alíneas “a” e “d” da Lei n. 13.709, de 2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD).

Em coletiva com o presidente da Comissão de Juristas, o ministro do STJ Nefi Cordeiro, Rodrigo Maia concordou com a proposta apresentada pelo grupo de especialistas. “Não é o melhor caminho que o governo seja dono dos dados da sociedade. Os dados são poder e este poder não pode ser de um governo que esteja administrando o Brasil em um determinado momento”, disse.

Maia ainda complementou dizendo que “vinculado ao governo, dá problemas na troca de informações com outros países. Não é bom que ninguém tenha um poder tão grande como o poder dos dados, que hoje são o principal instrumento de poder em uma democracia moderna. Existem lacunas na lei que precisam ser preenchidas”, afirmou o presidente da Câmara.

Uso de novas tecnologias

Dentre os pontos trazidos na proposta elaborada pela Comissão de Juristas, está a regulamentação de como investigações criminais poderão ter acesso a dados a partir de novas tecnologias, entre elas geolocalização, uso de “cavalos de troia” em celulares de suspeitos e reconhecimento facial. “É uma tecnologia que ainda gera discussão porque o índice de eficiência é muito controverso”, reconhece o ministro Nefi Cordeiro.

No texto, há também a definição do crime da divulgação de dados sigilosos com o intuito de prejudicar alguém. “O jornalismo não entra nessa categoria. Não há risco de censura à imprensa”, esclareceu o ministro.

Pontos centrais da proposta

De maneira geral, os principais pontos do texto são:

  • A sua fundamentação nos princípios constitucionais da autodeterminação informativa, reserva legal e presunção de inocência
  • A vinculação da licitude do tratamento de dados pessoais a hipóteses como a previsão em lei, em regulamento, execução de políticas públicas ou perigo concreto à vida
  • O recurso à regulação com base em riscos, considerando categorias de dados pessoais como os sensíveis e os sigilosos
  • Estabelecimento de transparência sobre as formas de tratamento e suas características
  • Necessidade de que sejam previstas medidas de segurança da informação, técnicas e administrativas, bem como de Privacy by Design e Privacy by Default
  • Estabelecimento de regime especial para sistemas que tomem decisões automatizadas: devem ser auditáveis, não discriminatórios e incluir o direito à revisão por pessoa natural
  • Previsão de requisitos específicos para o uso tecnologias de monitoramento, como relatórios de impacto e a previsão de legislação especial

Versão vazada

Essa semana, o Antagonista afirmou que teve acesso a uma versão do texto do anteprojeto. O TELETIME conversou com dois integrantes da Comissão que afirmaram não reconhecer o texto divulgado pelo site e confirmaram que a versão oficial do anteprojeto seria entregue nesta quinta-feira ao presidente Rodrigo Maia.

A Comissão

Criada por Maia em novembro do ano passado com 15 membros, a comissão é composta por Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (presidente); Ministro Antonio Saldanha Palheiro (vice-presidente); Laura Schertel Mendes (relatora); Pedro Ivo Velloso (secretario); Danilo Doneda; Davi Tangerino; Eduardo Queiroz; Heloisa Estellita; Humberto Barrionuevo Fabretti; Ingo Sarlet; Jacqueline Abreu; Jorge Octavio Lavocat Galvão; Juliana Abrusio; Tércio Sampaio Ferraz Junior; e Vladimir Aras.

No Ato de criação do colegiado, Rodrigo Maia disse que os órgãos de segurança pública e de investigação e repressão de infrações penais não podem prescindir de uma legislação que assegure a circulação de dados pessoais entre autoridades, ao mesmo tempo em que se observa a tendência de que mecanismos de cooperação internacional em matéria criminal exijam práticas de proteção de dados. Ao mesmo tempo, o parlamentar reconheceu que dados pessoais traduzem informações da personalidade do indivíduo, o que faz com que seu tratamento por meio de ferramentas de tecnologia deva sempre observar a preservação da privacidade dos cidadãos, ainda mais quando o direito à liberdade está envolvido.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies