Imagens de satélite mostram o antes e depois dos incêndios na Austrália


O último verão foi devastador na Austrália. Os incêndios queimaram nada menos do que 186 mil quilômetros quadrados. Bilhões de animais foram mortos pelas queimadas e 34 pessoas perderam a vida. Agora um trabalho mostra como esse problema realmente foi grave.

A empresa australiana de análises aéreas Geospatial Intelligence trabalhou com o governo de Nova Gales do Sul para capturar imagens e fazer um antes e depois. Assim, puderam mostrar o estrago causado pelas queimadas neste estado. Regiões que antes floresciam agora parecem estéreis.

Fogo levou as áreas verdes e trouxe um sentimento de terror

As imagens ainda com o verde foram feitas em 2019, antes do início dos incêndios florestais. Enquanto isso, as outras imagens foram feitas logo depois das enormes queimadas.

australia
(Imagem: Geospatial Intelligence)
australia
(Imagem: Geospatial Intelligence)

Por mais tristes que essas fotografias possam ser, ajudam os governos com informações preciosas. A gravidade da situação fica mais clara com esse tipo de trabalho. Assim, com as imagens aéreas foram vistos danos nas vegetações e infraestruturas.

“Tem um valor muito, muito alto nos períodos de planejamento pré-incêndio, então este período agora está chegando na temporada de incêndios”, disse Rob Coorey, CEO da Geospatial Intelligence, à ABC News.

Essa empresa oferece imagens com mais resolução do que o Google Maps. Os satélites do Google colocam entre 30 e 250 metros por pixel, enquanto neste trabalho, cada pixel tem 1,5 metro.

australia
(Imagem: Geospatial Intelligence)
australia
(Imagem: Geospatial Intelligence)

Incêndios pela Austrália e em outras partes do globo

Não foi a primeira vez que a Austrália enfrentou um verão negro. Mas, não é o único lugar da Terra que enfrenta esta situação. Na Califórnia incêndios estão fortes e um tornado de fogo foi flagrado recentemente. Nem o Ártico escapa de queimadas.

Por mais que a atual temporada de incêndios seja menos devastadora do que no último ano, essa tecnologia é algo que devemos ver com frequência num futuro não muito distante.

Com informações de Science Alert.

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica