Casa Tecnologia Highline quer rede neutra para ‘democratizar’ Internet no Brasil

Highline quer rede neutra para ‘democratizar’ Internet no Brasil

por Alberto Lima


A Highline tem um comprometimento de longo prazo no Brasil com um modelo de negócios com propósito de auxiliar grandes e pequenos clientes, além de novos entrantes em telecomunicações e TICs. Com a poderosa força financeira da Digital Colony por trás, a empresa de infraestrutura – que está disputando ativos da Oi, mas não pode comentar as negociações – mira nas oportunidades de um mercado em transformação, com a rede neutra como carro-chefe.

“Estamos olhando a oportunidade de prover e democratizar os serviços digitais no Brasil”, declara o diretor de estratégia e novos negócios da Highline Brasil, Luis Minoru, em entrevista exclusiva ao TELETIME. “Acreditamos muito na criação e implantação de rede neutra. Depois que falamos disso, agora o termo virou moda, é uma tendência. É a forma mais inteligente de fazer um investimento que pode apoiar todo o ecossistema.”

O diretor encara a entrada da Highline no mercado de telecom como uma “oportunidade para acelerar a digitalização” para chegar em locais onde há pouca oferta de infraestrutura. “A gente ter uma rede neutra permite uma infraestrutura compartilhada com melhor qualidade, e tendo isso como core business, mesmo as grandes operadoras podem usá-la. Será bom para a sociedade e para a competição.”

Conforme explica Minoru, o tamanho do investimento necessário para criar, implantar e atualizar as redes em regiões remotas, combinado a um ambiente “mais positivo em termos regulatórios”, mostraram que a companhia poderia atender a essa demanda. E o argumento é que se trata de investimento novo entrando no País, por meio da Digital Colony.

“Estamos vendo um prospecto muito bom. As operadoras estão querendo terceirizar a rede como serviço. E isso acontece para além do Brasil, com torres e infraestrutura metálica. Agora são os clientes pedindo a Highline acima e abaixo na cadeia de valor”, complementa a Principal da Digital Colony, Geneviève Maltais-Boisvert.

Competição

Não só o termo virou moda no mercado brasileiro, mas a rede neutra é também uma estratégia real de grandes operadoras como Oi, Vivo e TIM, além de estar sendo desenvolvida por outras empresas entrantes, como a American Tower (concorrente da Highline no segmento de torres) e de operadoras regionais como a Aloo.

Na avaliação de Luis Minoru, o diferencial da Highline seria não ter ligação com essas incumbents, o que promoveria maior neutralidade, segundo ele. “Não temos conflito de interesse porque não estamos competindo pelo cliente final. É difícil falar que é neutro quando se está sendo organizado pela companhia, e é diferente da rede utilizada por ela mesma.”

Em alguns casos, se por algum motivo a companhia adquirir um ativo que tenha como operação a prestação de serviço ao cliente final, há a possibilidade de acordos com um parceiro ou uma companhia combinada com esse fim, diz. Seria o caso se a companhia comprasse a Oi Móvel, por exemplo. 

Por outro lado, também não há questão de haver margem reduzida por prover conectividade justamente quando isso passa a ser considerado quase um commoditie. “Uma das razões pela qual a margem de operadoras é pequena [nessa área] é que, justamente, cada um está colocando a própria rede. A rede neutra vai resolver parte do problema, com infraestrutura que pode ser compartilhada entre mais de uma tele”, coloca. “É a evolução da competição que permite que a gente ofereça o novo modelo de negócios útil e com saúde”. 

Estratégia

Os primeiros lugares onde a Highline quer chegar são as cerca de 4,4 mil cidades com menos de 30 mil habitantes. A ideia é chegar com rede de backbone e backhaul, e de lá as operadoras colocarem a última milha conforme a necessidade, seja fibra ou móvel. “Podem ser pequenos players locais ou mesmo novos entrantes, como um varejista, bancos e fintechs que queiram dar conectividade como combo”, vislumbra Minoru.

Nas conversas com a Anatel e com o governo, a companhia enxergou um ambiente regulatório positivo. “Vemos a preocupação real para ajudar a democratizar os serviços digitais, e alguém vai ter que fazer esses investimentos. Sabemos como é desafiador fazer isso”, destaca Minoru. 

No caso específico do leilão de 5G, a Highline tem interesse e vê isso como uma evolução natural do negócio de infraestrutura. Assim, espera que a Anatel promova as mudanças para permitir o modelo de negócios no atacado. “A regulação mostra esse é o caminho para a modernização, e isso também é uma grande oportunidade no Brasil.”

O diretor enfatiza que a Highline está há mais de oito anos com operação no Brasil, e trabalha com as maiores operadoras. Portanto, não se trata de uma “aventureira” neste mercado. “Entendemos a agenda local, temos conhecimento de como são as coisas.”



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies