Casa Tecnologia GSMA sugere criação de planos nacionais de 5G para a América Latina

GSMA sugere criação de planos nacionais de 5G para a América Latina

por Alberto Lima


No relatório sobre disponibilidade de espectro na faixa de 3,5 GHz para a América Latina, a associação global de operadoras móveis GSMA não só identificou o estado atual, mas também sugeriu medidas para solucionar os desafios em 11 países da região. O documento (clique aqui para baixar o PDF em inglês), divulgado nesta quarta-feira, 11, destaca a necessidade de atacar questões regulatórias, técnicas e até de políticas públicas, como a criação de planos nacionais de 5G.

Segundo a GSMA, a faixa de 3,5 GHz (o espectro 3,3-3,8 GHz) já é utilizada na maioria das redes comerciais pelo mundo e, por isso, “é o mais perto que temos de uma banda globalmente harmonizada”. A entidade reforça que é necessário ter um plano seguro para dedicar de 80 a 100 MHz por operadora nesse espectro.

A entidade recomenda que, além dos esforços para disponibilizar mais espectro, sejam considerados os seguintes fatores:

  • Priorizar a melhoria da conectividade para alcançar benefícios sócio-econômicos acima da maximização de receita;
  • Seguir as melhores práticas, planejamento de bandas e tendências internacionais;
  • Dar claridade em termos de coexistência, de acordos de sincronização e de interferência em regiões fronteiriças;
  • Destinar espectro com neutralidade tecnológica; e
  • Conceder licenças mais longas (“idealmente 20 anos ou mais”), com possibilidade de renovação, para dar certezas de longo prazo para os investimentos em rede.

Plano nacional de 5G

A entidade coloca que os países devem endossar o 5G como um elemento chave para permitir a economia digital, especialmente como condutora da Indústria 4.0. Também sugere a implementação de um plano nacional de 5G (algo que a Ericsson já mencionou) de cinco anos para ajudar na coordenação e “dar segurança”. Isso seria conseguido por meio de um cronograma, diretrizes de licenciamento, aferição de demanda e quantidade de usuários, calendário de espectro, infraestrutura necessária e “recompensa de investimentos”.  

Para o leilão, considera que é recomendável avaliar o espectro e definir novas formas de cobrar pelo ativo, como modelos de voluntariado para compartilhamento de infraestrutura. Ou seja: que os países procurem fazer leilões não arrecadatórios, com foco em benefícios sócio-econômicos. Para tanto, utilizar modelos que promovem investimento, como beauty contest e compromisso de investimento em rede.

O regulatório também é abordado. A associação entende que é necessário reformas para promover o 5G e a eficiência da faixa de 3,5 GHz, identificando aspectos chaves da agenda regulatória e desenvolvendo um plano para a simplificação, removendo as barreiras. 

Outro ponto são acordos com diversas indústrias, como de satélite e defesa, para acessar o espectro de 3,5 GHz que não esteja em uso, “atualizando a agenda regulatória quando necessário”. A GSMA diz que destinações diretas de espectro “deveriam ser tratadas diferentemente para abrir os processos competitivo e de licenciamento”, incluindo obrigações de investimento.

Questões técnicas

A associação nota que o uso de sistemas Time-Division Duplexing (TDD) necessita de dois níveis de sincronização: interoperadoras e em países em regiões de fronteira. Assim, recomenda que se evite a fragmentação na disposição de blocos, algo que também é uma preocupação no leilão de 5G no Brasil.

A GSMA também sugere a implantação de uma estrutura para sincronização fronteiriça com outros países, com resoluções em trabalho coordenado de agências reguladoras e uma documentação específica no Manual de Coordenação de Fronteiras do Mercosul. A associação diz que esse problema não está sendo destacado pelos países pesquisados – o que inclui o Brasil, embora o a área técnica da Anatel já tenha mencionado a questão. 

Também a harmonização internacional é mencionada como solução. Isso inclui a atualização das tabelas de espectro, algo que a entidade recomenda para a Anatel. Assim, a associação coloca que acordos devem ser firmados com a Citel e confirmados na próxima conferência de espectro (WRC-23).



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies