Casa Ciências Extenso buraco de ozônio continua na Antártica em novembro

Extenso buraco de ozônio continua na Antártica em novembro

por Alberto Lima


O extenso buraco de ozônio presente na Antártica atingiu seu maior tamanho, 24,8 milhões de quilômetros quadrados. Segundo a NOAA e a NASA o tempo frio e fortes ventos sustentaram a formação desse buraco que deve persistir até novembro.

O buraco em 2020

O extenso buraco de ozônio na Antártica chegou a atingir a área equivalente a três vezes o tamanho dos Estados Unidos. Assim, as pesquisas demonstraram que foi expelido quase todo o ozônio presente na altura da estratosfera sobre o pólo sul. Este ano será registrado como o que atingiu o 12º maior buraco de ozônio por área em 40 anos.

Por outro lado, 2020 foi conceituado pelos cientistas como o ano com a menor quantidade de ozônio em 33 anos. Segundo Paul A. Newman, cientista de Ciências da Terra no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt: desde o ano 2000 a quantidade de cloro e bromo diminuíram cerca de 16% na estratosfera antártica. Dessa forma, a diminuição dos níveis dessas substâncias, controlados pelo Protocolo de Montreal, auxiliaram que os resultados desse ano não fossem ainda piores se continuassem com a mesma quantidade de emissões nas mesmas condições climáticas. Paul declarou que “temos um longo caminho a percorrer, mas essa melhoria fez uma grande diferença este ano. O buraco teria sido cerca de um milhão de milhas quadradas maior se ainda houvesse tanto cloro na estratosfera quanto havia em 2000”.

Em 2020 o buraco de ozônio é o 12ª maior. (NASA Ozone Watch / Katy Mersmann)

Você sabe o que é o buraco de ozônio e qual sua importância?

O ozônio nada mais é que uma molécula composta por três átomos de oxigênio que reage facilmente com outras substâncias químicas. Então quando o ozônio está próximo da superfície da terra ele pode pode ser maligno para a saúde humana. Neste caso ele se forma por reações entre os raios de sol e partículas de poluição. No entanto, acima da superfície da terra, na estratosfera o ozônio forma uma camada, a qual protege o planeta das radiações ultravioletas. Se não houver a camada de ozônio os raios solares incidem diretamente na terra aumentando a temperatura e podendo causar alguns donos para o ser humano e o ambiente, como catarata, câncer de pele, supressão do sistema imunológico e danos ao plâncton e as plantas.

Substâncias utilizadas pelo ser humano que contem formas ativas de cloro e bromo se decompõem em partículas de nuvens formadas pelas camadas frias da estratosfera, causando reações químicas que quebram as ligações do ozônio e destroem suas moléculas. Em locais com temperaturas maiores não há muitas nuvens estratosféricas polares, por isso a destruição da camada de ozônio é menor. Dessa forma o buraco da camada de ozônio se forma mais intensamente na região da Antártica. No final do inverno até a primavera do hemisfério sul os raios solares retornam e começa a ocorrer as reações químicas que causam a quebra das moléculas de ozônio.

A medição do ozônio

A NASA e NOAA que fazem as verificações e medições da quantidade de ozônio e o crescimento do buraco no planeta. As agências utilizam três métodos para fazer o monitoramento anual: Satélite Aura da NASA; satélite NASA-NOAA e satélite polar NOAA-20. Além disso a NOAA verifica a espessura da camada e a destruição de ozônio de dentro do buraco através balões meteorológicos com sondas de medição.

Neste ano as medições de ozônio acusaram valores diários baixos sobre a Antártica. Dia 1º de outubro a NOAA registrou o valor de 104 unidades Dobson e a NASA de 94 unidades Dobson em 6 de outubro.

No final de outubro os valores de ozônio atingiram níveis incríveis. De acordo com Bryan Johnson, cientista do Laboratório de Monitoramento Global da NOAA, é o mais perto de zero que dá para se medir. O mais importante é que a quantidade de ozônio em setembro diminuiu comparando com o ano 2000, pois temos menos cloro na atmosfera. Os analistas observam a estratosfera onde há maior diminuição (entre 12 e 20 quilômetros de altitude).



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies