Casa Tecnologia EUA oficializam o OpenRAN como estratégia contra Huawei

EUA oficializam o OpenRAN como estratégia contra Huawei

por Alberto Lima


Chairman da FCC, Ajit Pai, durante evento sobre OpenRAN

O governo dos Estados Unidos tornou oficial: a tecnologia de rede de acesso aberta OpenRAN é agora uma arma para retomar o papel protagonista do país nas redes 5G. Em evento online dedicado ao tema nesta segunda-feira, 14, a agência reguladora Federal Communications Commission (FCC) afirmou com todas as letras que a ideia é aproveitar a experiência norte-americana no desenvolvimento em software para, em uma tacada só, reduzir a dependência de fornecedores tradicionais como Ericsson, Nokia e Samsung e promover uma investida (com incentivo governamental) contra a Huawei e a ZTE.

A senadora Jane Harman, do comitê de inteligência do parlamento dos EUA, declarou que agora não se trata de uma corrida pelo 5G mais, o que pode ser encarado como uma tentativa de mudança de narrativa estratégica do governo. Isso porquê o foco não seria mais no hardware. “No conceito de OpenRAN, a gente toma vantagem de software. E aqui no Ocidente, fazemos software muito bem”, disse, reiterando que a tecnologia é “uma grande oportunidade” para os Estados Unidos.

O conselheiro da FCC, Geoffrey Starks concorda, lembrando que empresas norte-americanas eram líderes em tecnologias anteriores, como Motorola, mas que isso desapareceu com o tempo. Ele afirma que a estratégia chinesa dá “vantagem injusta” ao supostamente tornar em armas as redes de telecomunicações. “Nosso país tem sido líder em tecnologia de software. Precisamos investir e pensar nisso.”

Diversidade

Mais uma vez, a estratégia do governo dos EUA parte da acusação – ainda sem provas apresentadas – de que a Huawei e a ZTE teriam instalado backdoors nos equipamentos e estariam obedecendo à lei chinesa de fornecimento de informações ao Partido Comunista Chinês. A Huawei e a ZTE sempre negaram a existência de backdoors, e apresentam laudos e auditorias especializadas como prova. 

Mas agora os norte-americanos também focam no ataque às fornecedoras chinesas com o argumento da diversidade. “Muitas operadoras se preocupam com o mercado consolidado. Tenho ouvido algumas, aqui e em outros países, que a diversidade de fornecedores é útil em termos de preço e competição, evitando o problema de lock-down [dependência] e garantindo um fornecedor reserva, entre outras coisas”, diz o chairman da FCC, Ajit Pai. 

“Com o OpenRAN, elas podem fundamentalmente fazer disrupção com mais fornecedores. É também uma chave para a segurança em nossas redes, ao contrário de fornecedores chineses. Assim, podem ter rede de acesso aberta, interoperável”, declara. Pai coloca que a OpenRAN tem fornecedores norte-americanos e de países alinhados politicamente, e que a maior adoção permitiria o avanço em pesquisa e desenvolvimento da tecnologia. No evento, estavam presentes executivos da Qualcomm, Intel e Oracle, entre outras, mas o chairman da FCC diz que o regulador não estaria endossando nenhum equipamento ou fornecedor. 

Argumentos

O secretário Mike Pompeo, que tem promovido uma espécie de turnê contra a China por países europeus, declarou em mensagem gravada que a política de “redes limpas” (Clean Network) já teria sido adotada por 30 países. Em seu discurso ainda mais ideológico, chegou a mencionar uma suposta censura por parte do Partido Comunista Chinês contra os EUA. E declarou: “O mundo não quer o comunismo chinês hackeando carros autônomos e ferramentas de telemedicina. A tecnologia deve alavancar a liberdade.”

Em todos os discursos do evento, havia em comum o julgamento de que o que seria melhor os cidadãos norte-americanos serviria para o resto do mundo inteiro. 



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies