Casa Tecnologia Estudo propõe novo conceito de ‘conectividade significativa’ para banda larga

Estudo propõe novo conceito de ‘conectividade significativa’ para banda larga

por Alberto Lima


Ter conexão à Internet não significa necessariamente pleno acesso, e isso precisa ser refletido nas metodologias de políticas públicas de universalização. Essa é a conclusão de um estudo da Aliança Por Internet Acessível (A4AI, na sigla em inglês), que apresenta o conceito tecnologicamente neutro de “conectividade significativa”. Isso parte da premissa de ter a “velocidade certa”, o dispositivo apropriado, com franquia de dados suficientes (ou ilimitada) e podendo utilizar a Internet regularmente.

A metodologia de outros levantamentos atuais, como o “Connecting Humanity”, da União Internacional de Telecomunicações, considera como banda larga conexões de Internet fixas de pelo menos 10 Mbps, e com 4G no caso da rede móvel. Respondendo ao TELETIME por email, a diretora executiva da A4AI, Sonia Jorge (que também contribuiu para o estudo da conectividade significativa), e a especialista sênior em políticas e regulatório da organização, Nathalia Foditsch, explicaram que é necessário rever esses parâmetros.

Na prática, a pesquisa da A4AI leva em consideração que não basta ter acesso à Internet, mas sim ter a disponibilidade diária, “não ter limite de dados, e ter uma velocidade compatível, no mínimo, com a que encontramos no 4G, [além de] também possuir um smartphone”. Conforme o estudo, a tecnologia LTE é o básico para países de média e baixa renda por permitir uso de vídeo, compartilhamento de conteúdo e participação social.

Franquia

As pesquisadoras da A4AI destacam que a franquia de dados é um limitador para o acesso à Internet no Brasil. “Este abismo que existe entre os que podem fazer uso de toda a Internet e aqueles que usam apenas certos aplicativos [em zero rating] só tende a aumentar se não formularmos políticas voltadas para a conectividade significativa”, colocam. 

Conforme o relatório, a escassez de dados impõe limites para o usuário, que podem não saber a velocidade da conexão, mas sabem a franquia que conseguem pagar. Assim, o estudo reafirma o valor do acesso público gratuito como estratégia de universalização da Internet, mas que deveria complementar uma “agenda para maior conectividade residencial”. Nestes dois casos, a conectividade significativa significaria justamente acesso ilimitado à Internet.

“Acesso fixo em cada residência pode estar longe da realidade em muitos países; porém governos podem priorizar acesso à banda larga como prioridade em instituições como escolas, bibliotecas e outros prédios públicos para criar pontos de ancoragem de conectividade de alta capacidade para seus ocupantes”, destaca a A4AI. Mesmo que não seja acesso ilimitado, a organização afirma que isso ajuda a reduzir a escassez de dados limitados por franquias.

Velocidade

No conceito amplamente usado de banda larga fixa, a velocidade de 10 Mbps é comparável à tecnologia 3G, afirmam Sonia Jorge e Nathalia Foditsch. “Entendemos que não é mais suficiente para uma ‘conectividade significativa’, por isso estamos fazendo esforços para que velocidades maiores, compatíveis com a velocidade do 4G, sejam adotadas. Ressaltamos que, ao falarmos em 4G, não estamos defendendo a conectividade móvel, mas apenas dando uma referência da velocidade adotada por esta tecnologia”, reiteram. 

Próximos passos

A pesquisa sugere que se construa um consenso amplo entre atores de setores públicos e privados, assim como a sociedade civil, para discutir e adotar as políticas para entregar a conectividade significativa. Também colocam que é preciso revisar as políticas públicas e ambiente regulatório para atingir esses objetivos. Assim, pretende-se que se construa e fortaleça a capacidade de instituições de estatísticas para monitorar essa meta e incorporar indicadores no processo, utilizando coleta de dados desagregados dor gênero.

A pesquisa levantou dados de 5.890 pessoas de três países com baixa penetração: Colômbia, Gana e Indonésia. Ela foi realizada entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020. Confira a íntegra do estudo da A4AI clicando aqui.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies