Casa Tecnologia Destinação da faixa de 6 GHz é divergente entre operadoras e big techs

Destinação da faixa de 6 GHz é divergente entre operadoras e big techs

por Alberto Lima


A chegada do 5G tem apontado para novas formas e destinações de uso das faixas de espectros, e os debates sobre o uso da faixa de 6 GHz são um exemplo disso. Há divergências entre a TIM e o Facebook sobre a forma de uso dessa faixa, entrando ou não no leque das não licenciadas, assim como as já utilizadas para o Wi-Fi 2,4 GHz e 5 GHz. O assunto foi discutido durante workshop de Competição da Anatel nesta terça-feira, 27.

Ana Luiza Valadares, diretora de Políticas de Conectividade e Acesso do Facebook, acredita que a pandemia mostrou que é preciso garantir conectividade para as pessoas. “O Facebook se preocupa com o fato de muitas pessoas não terem acesso à conectividade e também com aqueles que não têm a conectividade plena”, disse.

Valadares acredita que, para que as pessoas tenham plena experiência de conectividade, é preciso oferecer dispositivos que permitam essa sensação e que garantam acessos à tecnologia de realidade aumentada. Para isso, precisa-se garantir conexão indoor. Por isso, ela defendeu a alocação da faixa de 6 GHz para o Wi-Fi, somando-se dessa forma às faixas não licenciadas já existentes de 2,4 GHz e 5 GHz.

“Os Estados Unidos já definiram isso. E é importante que o Brasil assim também o faça pois isso coloca para o usuário final a possibilidade de acesso pleno, em alta velocidade, que permite o uso de inúmeras tecnologias”, defendeu a representante do Facebook.

Partilha

Já Marco Di Constanzo, diretor de Network Development da TIM, acredita que qualquer decisão sobre o uso da faixa de 6 GHZ agora é prematura. Seguindo posicionamento da associação GSMA, ele defendeu a destinação de apenas parte do 6 GHz para Wi-Fi – no caso, um pedaço 500 MHz. Ele entende que qualquer destinação de uso do restante do espectro deveria ser discutido somente após a World Radiocommunication Conference (WRC) da UIT, que acontecerá em 2023.

“A China, por exemplo, destinou o 6 GHz para telefonia móvel. Eu não acho certo, assim como não acho certo o que o EUA decidiu. Por isso, creio que devemos esperar. Qualquer decisão do Brasil agora, torna-se irremediável no futuro”, disse o executivo da operadora.

Vale notar que a Anatel já decidiu em maio seguir com o posicionamento de destinação de 1,2 GHz para a faixa de 6 GHz, conforme definido na WRC de 2019 para a Região 2 (onde estão tanto os EUA como o Brasil). A área técnica já produziu uma análise de impacto e encaminhou ao conselho diretor. Há ainda um bloco 100 MHz – a faixa de 7.025-7.125 MHz – que terá atribuição global para o serviço móvel (IMT).

Descongestionamento

A alocação da faixa de 6 GHz para o espectro não licenciado, como as faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz, representaria um descongestionamento dessas duas faixas já em uso. “Alocando o 6 GHz para licenças abertas, haverá um descongestionamento de redes Wi-Fi. Esse descongestionamento do Wi-Fi pode trazer cerca de US$ 27,60 bilhões até 2030 para o Brasil”, disse Raul Katz, presidente da Telecom Advisory Services.

Além disso, o consultor apontou que a liberação da faixa de 6 GHz causará um impacto para redes Wi-Fi de provedores regionais (WISP network), ampliando o acesso de cobertura com alta capacidade por ponto de acesso. O professor William Lehr, do MIT, também defendeu que o uso de espectro para Wi-Fi potencializa serviços e permite mobilidade, usabilidade, e portabilidade para os usuários das redes. (Colaborou Bruno do Amaral)



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies