Crianças bilíngues perdem menos massa cerebral à medida que crescem


Crianças bilíngues chegam à idade adulta com mais massa cinzenta, indica um novo estudo. O trabalho foi desenvolvido por acadêmicos da Universidade de Reading, na Inglaterra e da Universidade Georgetown, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores analisaram os cérebros de crianças e adolescentes. Eles perceberam que aquelas que falavam mais de um idioma tinham vantagens quanto a massa cinzenta. Para isso, compararam com outras crianças que falavam somente uma língua.

Este é o trabalho mais completo sobre os benefícios de falar mais de uma língua. Ele mostra como os pequenos podem ser impactados ao aprender um novo idioma.

De fato, o bilinguismo é algo positivo para a matéria cinzenta e branca nos cérebros adultos. Mas, essa foi a primeira vez que algo parecido foi visto em crianças e adolescentes. Talvez a infância seja o período ideal para estimular o cérebro desta maneira.

“A massa cinzenta no cérebro diminui desde tenra idade, mas nosso estudo descobriu que as principais áreas do cérebro mostraram menos encolhimento em crianças bilíngues do que monolíngues durante o desenvolvimento”, disse o líder do projeto e Professor Associado de Psicolinguística em Bi e Multilíngues da Universidade de Reading, Dr. Christos Pliatsikas.

Estudo mostra que crianças bilíngues perdem menos massa cerebral

A massa cinzenta é a parte do cérebro onde as células cerebrais são encontradas. Já a matéria branca consiste nas partes do cérebro que possuem conexões entre as células cerebrais. O isolamento por gorduras traz a tonalidade branca.

Conforme o estudo, os bilíngues mantiveram mais massa cinzenta durante o crescimentos dos cérebros. Mas, eles apresentaram perda de massa branca. Isso indicou que a comunicação se tornou mais eficiente. A área do cérebro responsável pelo aprendizado é a mais atingida.

“Olhando para o cérebro de crianças e adolescentes, podemos começar a ver como e quando o bilinguismo afeta o cérebro durante o desenvolvimento da linguagem”. Para o líder do estudo, é possível perceber claras diferenças entre bilíngues e monolíngues. 

Ainda conforme ele, isso pode trazer uma série de benefícios para as pessoas. Assim, pode ser possível melhorar o desempenho em diferentes tarefas. “No geral, os resultados indicam que encorajar o bilinguismo na infância pode ter benefícios mais tarde na vida”, concluiu.

O estudo foi publicado no Brain Structure and Function. Com informações da Universidade de Reading.

 

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica