Casa Ciências Covid-19 pode ter desencadeado doença de Parkinson em paciente

Covid-19 pode ter desencadeado doença de Parkinson em paciente

por Alberto Lima


Desde o começo de 2020 há grande preocupação quanto a contaminação de pessoas pelo vírus da Covid-19. A doença ainda é nova, mas os cientistas já apontam que ela é capaz de causar uma série de problemas na saúde humana. Inclusive, a doença de Parkinson é uma que pode aparecer em pessoas que enfrentaram o vírus.

Um efeito parecido foi observado após a pandemia de gripe espanhola, no começo do século passado. Até o momento, sabemos que a Covid-19 tem relação com danos cerebrais, sintomas neurológicos e a perda de memória. Contudo, não está claro como a doença pode incapacitar pacientes e qual seu efeito final.

Ainda não sabemos tudo sobre os efeitos da Covid-19

Os cientistas imaginam que o vírus pode prejudicar as células cerebrais, o problema é que eles não sabem como medir essa condição. Um novo estudo dos mesmos autores propõe que a “terceira onda” talvez não seja o ressurgimento das infecções, mas sim um aumento nos casos de doença de Parkinson.

“Embora os cientistas ainda estejam aprendendo como o vírus SARS-CoV-2, ele é capaz de invadir o cérebro e o sistema nervoso central. O fato de que está entrando é claro”, comentou o neurocientista Kevin Barnham, do Instituto Florey de Neurociência e Saúde Mental, da Austrália.

Não existem evidências concretas dessa hipótese. Em 1918, com a gripe espanhola, uma inflamação no cérebro chamada encefalite letárgica aumentou em duas ou três vezes o risco de Parkinson. Conforme o especialista, a pandemia do século 20 é interessante para fornecer uma visão neurológica da situação atual.

“Dado que a população mundial foi atingida novamente por uma pandemia viral, é realmente muito preocupante considerar o potencial aumento global de doenças neurológicas que poderiam se desenvolver no futuro”, disse Barnham.

Os pesquisadores sugerem que a melhor forma de identificar futuros casos seria pelo rastreamento de longo prazo nos pacientes de SARS-CoV-2. Assim, após a recuperação deveria existir um monitoramento de expressões em relação às doenças neurodegenerativas.

Qual a relação entre Covid-19 e a doença de Parkinson?

Um relatório publicado em Israel mostra os riscos que Barnham e seus colegas estão avaliando. Talvez seja o primeiro caso documentado de um paciente com a doença de Parkinson desenvolvida após a infecção por SARS-CoV-2. É um homem de 45 anos que foi hospitalizado em março, com sintomas da Covid-19.

Em seguida, ele começou a apresentar dificuldades de comunicação, na fala e na escrita. Além disso, passou a demonstrar sinais de tremor e dificuldade de locomoção. Os médicos do homem dizem que a sua neurodegeneração não está clara, mas que pode ter sido causada por uma inflamação no cérebro.

Eles chamam a associação de “intrigante”, já que foi pequeno o tempo entre a infecção por Covid-19 e o desenvolvimento dos sintomas de Parkinson. Além disso, ele não tinha histórico familiar ou sinais genéticos de predisposição. Ainda assim, alguns acreditam que o vírus pode acelerar esse processo.

“Não é que essas exposições tenham causado o mal de Parkinson, mas agiram como precipitantes, exacerbando os sintomas sutis de Parkinson a um limiar de gravidade, tornando-os perceptíveis pela primeira vez a pacientes e médicos”, explicou o neurologista Alberto Espay, da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos.

O médico acredita que futuros casos de Parkinson possam ser detectados precocemente, basta saber como reconhecê-los. Então, é preciso fazer isso antes que a condição esteja totalmente desenvolvida. Quando esse tempo é ultrapassado, as terapias neuroprotetoras perdem efeito.

A pesquisa foi publicada no Journal of Parkinson’s Disease.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies