in

Conheça os animais mais perigosos do mundo para os seres humanos


Diversos animais vêm à mente quando se fala de perigo aos seres humanos. Os tubarões receberam a fama de predadores sanguinários, ainda que aconteçam em média 6 mortes por ataques de tubarões a cada ano. Alguns invertebrados, como veremos a seguir, causam a morte de mais de 700 mil pessoas por ano. Confira.

(Imagem de Taken por Pixabay)

Hipopótamos e Elefantes

Esses dois grandes mamíferos que habitam o Continente Africano são dois dos maiores animais do planeta. Ademais, os hipopótamos e elefantes africanos causam em média 500 mortes (cada um) a cada ano. Esse tipo de incidente acontece porque ambos os animais, principalmente os hipopótamos, são bastante territorialistas. Assim, pessoas acabam invadindo o território desses animais, resultando em ataques fatais.

Crocodilos

Animais perigosos por natureza, os crocodilos são predadores gigantes, podendo passar dos 6 metros de comprimento e pesar até 1 tonelada. Por conseguinte, existem hoje 27 espécies de crocodilos, das quais 7 são extremamente perigosas para os seres humanos. Portanto, armados com esse tamanho massivo, grande habilidade para nado e uma mordida mais pesada que a de um T-rex, esses animais podem facilmente atacar humanos distraídos. Todavia, dentre esses répteis, os crocodilos-do-Nilo são os campeões em ataques a seres humanos, alcançando as 300 baixas por ano. Todos os crocodilos, de forma geral, matam em média 1000 pessoas a cada ano.

(Imagem de Sasin Tipchai por Pixabay)

Cães

Sim, os cães estão entre os animais mais perigosos que causam mais mortes de pessoas ao redor do mundo. Isso porque os nossos amigos caninos são vetores em potencial do vírus da Raiva. O mais impressionante é que a doença por si só atinge números próximos de 100% de mortalidade de seus hospedeiros. Felizmente, existem vacinas para humanos e caninos para combater a raiva. A vacina pode ser tomada mesmo após a mordida, pois o vírus leva um período de alguns dias para atingir o sistema nervoso central. Ainda assim, aproximadamente 35.000 pessoas morrem todos os anos pela doença por via de cães.

A mosca tsé-tsé, um animal perigoso e muito pequeno

Abrindo a lista dos invertebrados mortais, portanto, essa espécie de mosca habita a África Subsaariana e certas regiões da Ásia. Esse inseto pode parecer inofensivo, tendo o mesmo tamanho que moscas comuns. Contudo, essas moscas se alimentam de sangue, mais ou menos como mosquitos, e durante a picada elas transmitem um protozoário mortal: Trypanosoma brucei. Esse microrganismo é o causador da Doença do Sono – uma enfermidade que causa alterações comportamentais, confusão mental e distúrbios do sono. A doença tem culpa de, em geral, 10.000 mortes a cada ano ao redor do mundo, principalmente na África.

Caramujos, animais perigosos e lentos

O gênero Biomphalaria sp. habita o fundo de rios e riachos, filtrando pacificamente a água doce. Contudo, esse grupo de caramujos é o hospedeiro intermediário da esquistossomose. A doença acontece quando os vermes Schistosoma mansoni, soltos na água contaminada, penetram na pele de seres humanos. Em torno de 20.00 pessoas morrem a cada ano pela doença e, só no Brasil, acontecem em média 150.00 casos anualmente. Essa enfermidade causa dores ao redor do corpo e irritações na pele, de forma geral.

(Imagem de Edinaldo Maciel edy boy por Pixabay)

Cobras

Cobras venenosas estão presentes em todos os continentes, com exceção da Antártica, mas se concentram principalmente nos trópicos. Espécies como a Mamba-negra e a Cascavel podem facilmente matar um ser humano adulto em alguns minutos após uma picada. Em geral, picadas de serpentes matam mais de 100 pessoas por ano.

O campeão dos animais mais perigosos: mosquitos

Mais de 700.000 mortes anualmente. Esse é o número de mortes que os mosquitos ao redor do mundo causam a cada ano. Isso porque esses insetos transmitem dezenas de doenças mortais, tais como: Dengue, Zika, Febre Amarela, Malária, Chikungunya entre várias outras. Essas doenças acometem principalmente ambientes tropicais, mais favoráveis para os mosquitos. Além do mais, essas infecções são negligenciadas em diversas partes do Continente Africano, Ásia e América do Sul.



Fonte Socientifica

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0