Casa Ciências Conheça águia-de-haast, maior águia do mundo extinta da Nova Zelândia

Conheça águia-de-haast, maior águia do mundo extinta da Nova Zelândia

por Alberto Lima


A águia-de-haast foi um grande predador e a maior águia do mundo. Ela viveu na Nova Zelândia há pelo menos 600 anos. Essas imensas aves pesavam mais de 300 kg, com o tamanho de 2,5 metros.

Nos tempos pré-históricos, a Ilha do Sul da Nova Zelândia era o oásis para uma série de pássaros únicos. Mesmo assim, essa imponente águia foi extinta por volta de 1400.

A maior águia do mundo

A Nova Zelândia era um ecossistema próspero de vida selvagem e único, portanto diferente de qualquer outro lugar da Terra. Isso antes da chegada dos humanos. A águia-de-haast era o maior predador da época.

Provavelmente, elas estavam no topo da cadeia alimentar da ilha do Sul e se alimentavam de outras aves locais, como aptornis, weka, takehe, pato e gansos. Mas a sua principal fonte de alimento era a moa, um dos maiores animais do local. Os moas eram pássaros gigantescos que não voavam e pesavam cerca de 200 kg.

Embora a águia fosse conhecida por comer principalmente os pássaros, acredita-se que o predador possa ter atacado as tribos humanas maori. As crianças pequenas eram mais vulneráveis a esses ataques e de forma assustadora. Estudos descobriram que a águia era forte e enorme o suficiente para atacar os humanos e se alimentar deles também.

Mesmo assim, uma análise de 2019 da genética desse animal surpreendeu os pesquisadores quando revelou que a maior águia do mundo estava intimamente ligada à Little Eagle da Austrália, uma raça pequena.

Descoberta da águia

ossos da águia

A Ilha do Sul é a área mais comum da Nova Zelândia e foi onde os pesquisadores descobriram os ossos desse pássaro.

Além disso, os cientistas estimam que a águia-de-haast apareceu pela primeira vez na ilha há cerca de 2 milhões de anos, antes de evoluir para a águia gigante.

O que se sabe é que a maior águia do mundo aterrorizou os habitantes humanos da Nova Zelândia, ainda que sua existência fosse desconhecida por cientistas europeus até 1871.

A descoberta aconteceu quando o taxidermista do museu Frederik Fuller desenterrou seus ossos, enquanto explorava um pântano em North Canterbury.

VEJA TAMBÉM: Homem encontra águia com GPS e rastreia locais que ela visitou por 20 anos

Desde então, temos a descrição científica da ave.

A extinção da águia

Nova Zelândia

A partir dessa revelação, temos também algumas informações sobre a águia e o período em que ela viveu.

Quando a tribo Maori chegou na Ilha da Nova Zelândia, no século XIII, os pássaros dominavam a terra.

O local também era um refúgio isolado de flora e fauna únicas que floresciam devido à sua localização distante.

Outro ponto é que a abundância de ossos do animal moa e outros espécimes escavados nos primeiros locais de despejo sugeriu que os colonizadores humanos dependiam desses pássaros para ter sua carne, pele e penas.

É claro que a caça dos humanos em excesso diminuiu a população de moa – principal alimento da águia-de-haast.

Então, ficou difícil para que a águia-de-haast prosperasse sem sua principal fonte de alimento.

Provavelmente, a ave morreu logo depois.

Esta teoria é ainda apoiada por estimativas científicas de que a águia gigante desapareceu na mesma época que a moa, cerca de 500 a 600 anos atrás.

A extinção da águia-de-haast é um exemplo de como a influência humana na Terra traz consequências. Informações de ATI.

 



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies