Como se formam as auroras boreais?


Todos sabem o que são auroras boreais e austrais – aqueles lindos padrões de luzes nos pólos. As auroras boreais formam-se ao pólo norte. As austrais, por sua vez, formam-se no pólo sul.

Afinal, qual é a explicação física para a formação das auroras? Para entender isso, precisamos entender dois pontos principais. O primeiro deles ocorre no Sol, e o outro, aqui na Terra.

Os ventos solares

Na superfície do Sol, as temperaturas ultrapassam os 5500 graus Celsius. Entretanto, não é esse o local mais quente do Sol. Este título vai para a coroa solar, com uma temperatura de mais de um milhão de graus Celsius. 

A coroa solar é literalmente como uma coroa. Trata-se de uma região que envolve o Sol. Ela é composta por plasma, ou seja, partículas altamente energéticas.

Na escola você deve ter aprendido sobre os estados da matéria: sólido, líquido e gasoso. O que talvez não tenham te contado, é que há alguns outros estados da matéria. 

O plasma é um desses estados. Ele é o estado que sucede o gás. Se você aquecer um líquido, em um momento se torna gás, correto? Pois bem, se você aquecer o gás, ele se tornará plasma. 

Um ponto importante para nosso raciocínio, é que em um plasma, os átomos tornam-se íons. Um íon é um átomo com mais ou menos elétrons do que deveria ter para o seu equilíbrio. Isso faz com que a interação do átomo com campos elétricos e magnéticos seja maior. 

É bastante comum que, com algumas dinâmicas nos campos magnéticos solares, essas partículas carregadas sejam lançadas em alta velocidade para o espaço. O termo técnico para isso é ejeção de massa coronal.

Auroras boreais, proteção da mãe Terra.

Como todos sabemos, a Terra também possui um campo magnético. Ele é alimentado principalmente pela movimentação do níquel e ferro em um estado meio pastoso, dentro da Terra.

O campo magnético da Terra nos protege da maior parte dessas partículas carregadas. Elas atingem o campo magnético. Nesse momento, são lindamente repelidas.

Ademais, justamente a existência do campo magnético que possibilita a vida na Terra. Se Ele não existisse, seríamos bombardeados pelos ventos solares, que destruiriam a atmosfera, além de expor a vida a grandes quantidades de radiação.

Bom, nos polos, no entanto, é mais fácil para essas partículas adentrarem. Elas se guiam pelas linhas do campo magnético. Ao adentrar na atmosfera e interagem com os gases da atmosfera. 

É, portanto, justamente a interação dos elétrons com as moléculas de oxigênio e nitrogênio na atmosfera que criam os padrões luminosos. As cores geradas são azul, vermelho e verde. 

Em 1859, a Terra recebeu ventos solares tão fortes que foi possível ver auroras a partir do Brasil, além de diversos outros locais próximos ao equador, e isso é assustador. O incidente queimou diversas redes elétricas e telegráficas.

Ademais, se nos dias de hoje uma tempestade solar de tal magnitude atingisse a Terra, queimaria satélites e computadores pelo mundo. Seria uma verdadeira catástrofe. Voltaríamos, portanto, para a Idade Média.

Com informações de Space.com e Britannica.

 

Queremos nos tornar a maior referência em educação científica do Brasil e na língua portuguesa. Para isso, precisamos pagar os melhores jornalistas, revisores e freelancers de ciência. Fazendo uma doação mensal em nosso , você nos ajuda a nos manter independentes e continuar o nosso trabalho sem percalços. 



Fonte Socientifica