Casa Esportes Coluna – Olimpíada Biônica | Agência Brasil

Coluna – Olimpíada Biônica | Agência Brasil

por Alberto Lima


Uma competição com diferentes provas de corrida, reunindo grupos que desenvolvem tecnologias para aprimorar a mobilidade de pessoas com deficiências físicas. Também chamado de “Olimpíada Biônica”, o Cybathlon 2020 foi disputado, de forma online entre sexta-feira (13) e sábado (14),  por equipes de 23 países. Entre eles, estava o Brasil, único da América Latina, representado por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) e pelo atleta paralímpico Estevão Lopes.

Estevão ficou paraplégico em 2012, atingido por uma bala perdida em um Riacho Fundo, cidade-satélite de Brasília. No hospital Sarah Kubitschek, teve contato com o esporte adaptado, passando por vela (chegando a disputar Mundiais entre 2016 e 2018), remo e paracanoagem. Em 2015, conheceu a equipe EMA (Empoderando Mobilidade e Autonomia), da UnB, que o apresentou à tecnologia da eletroestimulação.

Apesar da deficiência nos membros inferiores, a tecnologia desenvolvida pelo grupo de pesquisadores (que reúne professores e estudantes dos cursos de Educação Física, Fisioterapia e Engenharia) permite que Estevão pedale um triciclo adaptado. Esse triciclo tem um aparelho eletroestimulador acoplado, cuja interface funciona como um cérebro. A interface manda informações ao aparelho, que, por sua vez, reage em forma de choques programados no músculo, fazendo com que a perna conectada aos eletrodos se movimente.

“Com esta técnica de eletroestimulação funcional, fazemos um atalho entre o cérebro e o membro paralisado da pessoa. Fazendo isso de uma forma coordenada e com um sistema elaborado, juntando sensores, computação e algoritmos bem avançados, a gente consegue ativar os músculos de forma coordenada e produzir uma pedalada”, explicou Roberto Baptista, professor e coordenador do grupo, em comunicado divulgado pela UnB.

Estevão e a equipe EMA já haviam participado da Cybathlon há quatro anos, na Suíça, em 2016. Devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), o evento deste ano foi adaptado. Ao invés de disputas presenciais em uma pista de ciclismo, os participantes competiram de forma online. Os brasileiros realizaram a prova “Corrida de Bicicleta por Estimulação Elétrica Funcional” no espaço de treinamento da Capital do Remo, em Brasília, alcançando o sexto lugar – duas posições a frente da participação anterior.

“O fato do evento ter sido remoto foi um grande desafio, mas ficamos à frente de centros de pesquisas renomados, como a Universidade de Lyon, na França, que é referência na área de reabilitação; e da Politécnica de Milão, na Itália, que é referência em todas as engenharias. O principal objetivo era participar e mostrar o nosso domínio pela tecnologia”, disse Baptista, em  nota divulgada pela organização do Cybathlon.

A evolução do paradesporto tem relação direta com a qualidade de vida de pessoas com deficiência. O aprimoramento de próteses para corrida, por exemplo, que deem mais firmeza e performance às passada dos atletas, sai do âmbito esportivo e também pode impactar positivamente na rotina de quem depende delas para o dia a dia. Não é diferente com a tecnologia desenvolvida na UnB. Ela permite que paraplégicos exercitem o músculo paralisado, melhorando a circulação sanguínea e não o atrofie – além, claro, da sensação de liberdade.

“É um resgate da autoestima ver que a minha perna não perde músculos como geralmente acontece com outros cadeirantes”, concluiu Estevão, em depoimento à UnB.





Fonte EBC

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies