Casa Ciências Cientistas descobriram que a seda da aranha é mais forte que o aço

Cientistas descobriram que a seda da aranha é mais forte que o aço

por Alberto Lima


A seda da aranha pode ser tão resistente quanto o kevlar (material de fibra sintética conhecido por sua resistência). Os cientistas estão pesquisando os gatilhos químicos que o transformam. Desse modo, o líquido nas glândulas da seda vira um sólido.

Ou seja, quilo por quilo, a seda da aranha fica mais forte que o aço e mais resistente que o kevlar. Agora, os cientistas estão estudando como isso acontece.

A seda inicia como uma forma líquida chamada dope. Mas, em segundos, a pasta líquida e pegajosa de proteínas é transformada. No entanto, a transformação não consiste apenas em se tornar sólida. Ao sair da aranha, são construídos blocos de proteínas de seda chamados spidroins.

Os spidroins se dobram e se entrelaçam e, a partir desse ponto, criam uma estrutura organizada sem a orientação de forças externas.

Material diferenciado

(Pixabay)

Há anos, os cientistas tentam imitar esse processo na esperança de que algum dia conseguissem revolucionar a construção de materiais ultra fortes e sustentáveis também.

Ali Malay, biólogo estrutural e bioquímico do Centro Riken para Ciência de Recursos Sustentáveis no Japão, disse que é possível gerar materiais com propriedade únicas explorando esse processo de automontagem.

Nem o Dr. Malay, nem seus colegas, definiram como ele é montado. Porém, no artigo publicado na Science Advances, os cientistas montam o quebra-cabeça da seda da aranha. Eles imitam a saída ordenada da fieira com ferramentas químicas no laboratório.

Assim, descobriram a parte crucial da fiação, quando espidroínas se separam do tampão aquoso envolvido dentro das glândulas de seda. Essa etapa hiperconcentra as proteínas e um influxo de ácido faz com que elas fiquem interligadas com segurança.

O artigo observa o desenvolvimento da seda da aranha em um modelo de laboratório simplificado, no lugar de aranhas reais. Mas a pesquisa é importante porque fornece um vislumbre de como ocorre a fiação “da droga líquida à fibra”, disse Angela Alicea-Serrano.

Ela é pesquisadora de seda da aranha da Universidade de Akron e não está envolvida no estudo.

Como a seda de aranha se forma

como ela se forma
(Pixabay)

Angela Alicea-Serrano observa que, agora, vimos também o meio-termo do processo, além do início e do fim. Outra especialista em seda da aranha do Instituto Karolinska na Suécia, Anna Rising, explica que a metamorfose da seda não pode ser exagerada.

Ainda na glândula, as espidroínas ficam suspensas na forma líquida em concentrações extremas. Na forma viscosa, como uma pasta de dente. Se a seda endurece muito cedo, pode obstruir as glândulas da aranha e criar uma constipação na teia. Do mesmo modo, tarde demais, o aracnídeo pode expelir só um líquido informe.

Isso torna o tempo e a eficiência fundamentais para o processo de fiação da seda. Assim sendo, Rising explicou que as proteínas são estruturas como halteres: um fio longo elevado em cada extremidade por uma bolha parecida com um parafuso.

Portanto, as barras se combinam nas glândulas de seda naturalmente em extremidades, criando um formato V e se espalhando como uma droga.

Ao fim, para formar a arquitetura sólida da seda, os spidroins se enlaçam em correntes, usando as pontas dos halteres. Isso parece acontecer sob a influência de pistas químicas.

Ou seja, a pasta de spidroin é lançada por dutos estreitos e as células-aranha bombeiam ácido na mistura, fazendo com que as extremidades livres das barras se colem. Concluindo, o spidroin se transforma em uma estrutura fibrosa, cada vez mais.

O estudo científico foi publicado no periódico Science Advances.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies