Casa Ciências Cientistas criaram um aneurisma vivo com sangue e células humanas

Cientistas criaram um aneurisma vivo com sangue e células humanas

por Alberto Lima


O aneurisma cerebral consiste em um vaso sanguíneo no cerébro que incha de modo silencioso, com o risco de se romper, um dia. Esse rompimento pode ser fatal.

É difícil alcançar os vasos sanguíneos no cérebro, o que impede a avaliação de melhores chances de cura. Por isso, os médicos criaram um substituto 3D para estudar os tratamentos e dar algum treinamento prático para os colegas.

Assim, uma equipe de pesquisadores no Estados Unidos transformou o aneurisma ‘vivo’ em realidade. Eles fizeram o pioneiro aneurisma bioimpresso vivo sem estar no corpo humano. Ainda mais, a equipe concluiu um procedimento médico e observou a cura.

Essa novidade é importante, porque aneurismas cerebrais são complicados de identificar antes do rompimento. E identificá-lo significa parar o fluxo sanguíneo na área.

Formas de tratamento de um aneurisma cerebral

As maneiras de como tratá-lo costumam ser complicadas. No primeiro método, o cirurgião retira parte do crânio e, na base do aneurisma, insere um clipe pequeno de metal.

No segundo, é feito o enrolamento endovascular com um cateter inserido em uma artéria pela virilha. O cateter percorre o corpo até o aneurisma. Então, o próprio cateter leva a bobina até a dilatação.

A) Aneurisma cerebral vivo in vitro. B) Estrutura do vaso do aneurisma. Imagens do estudo publicado na Biofabrication.

Os dois tipos de tratamento interrompem o fluxo sanguíneo, consequentemente o aneurisma não cresce mais e, potencialmente, estourará. Mas as duas intervenções apresentam problemas, dependendo do caso do paciente.

O engenheiro William Hynes, do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, explicou como surgiu o estudo. O objetivo foi achar formas melhores para tratar o aneurisma cerebral, então o experimento foi feito com modelagem computacional.

Ou seja, a estrutura foi criada para ser utilizada por um cirurgião. Então, a equipe imprimiu uma estrutura 3D simulando um aneurisma feito de hidrogel de fibrina-gelatina. Depois, eles inseriram células cerebrais humanas chamadas hCMECs (células endoteliais microvasculares cerebrais humanas).

Essas células se espalham e revestem o aneurisma ao longo dos próximos sete dias, assim formando um aneurisma vivo impresso em 3D.

O motivo dele ter sido chamado de aneurisma vivo é a aplicação de células humanas, já que outros aneurismas falsos tinham sido criados antes.

Conclusão do experimento

aneurisma vivo
Coágulo, em vermelho, e células endoteliais, em verde, no modelo de aneurisma. Imagem: Estudo publicado na Biofabrication, 2020.

Após as células se espalharem, a equipe fez os experimentos nesse aneurisma recém-formado, em que corre plasma de vaca através da estrutura. Em seguida, é feita a própria bobina endovascular. Enfim, a bobina forma um coágulo na área.

O que significa que o fluxo sanguíneo é interrompido e o modelo funciona com sucesso.

LEIA TAMBÉM: Existe um órgão misterioso escondido no centro da cabeça humana

Mas, a equipe deixa claro que ainda falta bastante para que esse modelo possa ser reproduzido entre os médicos. Há mais trabalho em modelos computacionais de coagulação de três dimensões a serem realizados. Inclusive, usando velocimetria de imagem de partículas e imitando melhor a tensão de cisalhamento da parede que causa aneurismas.

O estudo científico foi publicado no periódico Biofabrication.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies