Casa Tecnologia Broadcast, 5G e mobilidade: os desafios das principais operadoras de satélite no Brasil

Broadcast, 5G e mobilidade: os desafios das principais operadoras de satélite no Brasil

por Alberto Lima


As operadoras de satélites com operação no Brasil projetam um cenário competitivo, econômico e regulatório bastante atribulado para os próximos meses. Durante o encerramento do Congresso Latinoamericano de Satélites nesta terça-feira, 6, algumas das principais empresas do setor compartilharam apostas e desafios após o forte impacto do covid-19.

Segundo o diretor executivo da Embratel StarOne, Gustavo Silbert, ainda que o reflexo global da pandemia tenha sido gigantesco, uma recuperação é vista desde julho no mercado. Neste sentido, a operadora relata mais clientes hoje do que em março, e uma certa “proteção cambial” gerada por contratos internacionais pagos em moeda estrangeira.

Em paralelo, a empresa ainda reforçou as altas expectativas para o lançamento do Star One D2, em 2021, e comemorou uma maior integração comercial com a Claro (também parte do grupo América Móvil), permitindo assim uma oferta integrada de capacidade e serviços digitais.

Broadcast

VP de Vendas para América Latina da SES, Jurandir Pitsch também citou impactos da pandemia e lembrou que muitos clientes foram severamente afetados pelo cenário – influenciando assim o valor das operadoras em bolsas e a confiança de investidores. Segundo ele, o segmento de broadcast de esporte da SES chegou a cair 90% nos dois meses mais críticos da crise.

Pitsch ainda pontuou que as rápidas mudanças de hábito do cliente final devem acelerar a transformação do consumo de vídeo. No momento, movimentos importantes já estariam ocorrendo e diminuindo o número de canais entregues via satélite. Entre eles, a consolidação de players como Fox e Disney, e clientes que estão desativando canais SD, mantendo apenas o HD.

General manager da Eutelsat Brasil, Rodrigo Campos também citou desafios e afirmou que o Brasil precisa acelerar medidas para destravar investimentos, inclusive em satélites. Por outro lado, o executivo notou que em agosto, os dados da TV por assinatura no Brasil indicaram estabilidade, o que seria uma boa notícia após anos de derretimento dessa base.

Mobilidade

Por outro lado, o executivo também destacou o colapso da emergente vertical de mobilidade durante a crise do covid-19 – uma vez que os setores aéreo e marítimo foram fortemente impactados. O impacto na vertical foi igualmente citado pelo general manager da Intelsat, Márcio Brasil – que ainda assim reforçou o interesse da empresa na área.

Márcio Brasil ainda comentou o processo de reestruturação financeira atravessado pela operadora: segundo ele, o movimento foi bem visto pelo mercado e deve resultar em uma Intelsat mais preparada para novos investimentos. Entre eles, a limpeza da banda C nos EUA e o lançamento de novos satélites definidos por software.

Um impacto na mobilidade também foi destacado pelo general manager da Telesat Brasil, Mauro Wajnberg. Reportando ritmos diferentes de retomadas entre os países, o executivo ainda abordou a estratégia da empresa para os próximos anos. Ela passa pelo lançamento de uma constelação de satélites de baixa órbita (LEO) no ano que vem, com operação comercial a partir de 2023. O governo do Canadá é um dos clientes já acertados.

5G

Segundo Wajnberg, o formato LEO deve levar vantagem no atendimento de demandas 5G. Durante o debate, outras abordagens em MEO (satélites de média órbita) e GEO (geoestacionários) foram defendidas como possibilidades viáveis para demais aplicações de quinta geração.

A Hispamar, por exemplo, vai seguir investindo em GEO de olho no mercado de backhaul 5G e está aberta para parceiros que ofereçam plataformas para entrega de soluções, de acordo com o chairman, Clóvis Baptista. Durante o debate nesta terça-feira, Baptista ainda pediu um “pacto de governabilidade” no Brasil que facilite o caminhar de mudanças estruturais.

Managing director para Américas da ABS, Estevão Ghizoni também reforçou a aposta da empresa no modelo de satélites GEO – mas neste caso, com artefatos de pequeno porte, também definidos por software e capazes de atender verticais 5G. Por outro lado, o executivo fez um alerta para colegas sobre o cenário macroeconômico. “Temo que a gente ainda não tenha visto o pior da crise”, afirmou Ghinozi.

TVRO

Naturalmente, a necessidade de uma solução para a convivência entre sistemas TVRO e o 5G no Brasil também foi assunto de discussão. Enquanto a Eutelsat afirmou que existem modelos viáveis para migração à banda Ku de canais hoje alocados na banda C, a Embratel Star One alegou que o tema nem deveria estar em discussão, uma vez que a mitigação de 5G e TVRO na banda C seria mais barata e localizada; ainda assim, a empresa reforça estar preparada para qualquer cenário. Já para a Hispamar, este é o maior risco regulatório que paira sobre o setor.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies