Casa Tecnologia Brasil deve permitir capital estrangeiro na TV e roaming permanente, diz OCDE

Brasil deve permitir capital estrangeiro na TV e roaming permanente, diz OCDE

por Alberto Lima


O Brasil deveria abrir mais o mercado para participação estrangeira, no entendimento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), entidade composta por 37 países que dominam mais de 60% do PIB global. No relatório sobre o arcabouço regulatório brasileiro para as áreas de telecomunicações, políticas digitais e radiodifusão apresentado na segunda-feira, 26, a entidade toca em dois pontos específicos nisso: a possibilidade de roaming permanente e a de participação de capital estrangeiro na TV aberta

A entidade fala que o Brasil deveria reexaminar “restrições absolutas ao roaming permanente em IoT”, sob justificativa de que isso evitaria o lock-in do mercado brasileiro.  “Acordos de roaming permanente poderiam ser sujeitos a valores comerciais livremente negociados entre operadoras de rede brasileiras e estrangeiras. Essa política pode mitigar qualquer preocupação de atores locais de que provedores internacionais – que não estão sujeitos às regulamentações e tributações locais – teriam uma vantagem indevida.”

O assunto de roaming permanente não é um tema simples. A Anatel proibiu em 2012, e as operadoras são veemente contra a prática, afirmando que a proibição é uma proteção, e não uma “vantagem indevida” como afirma a OCDE. Por outro lado, associações de IoT e até a operadora norte-americana AT&T já expressaram que isso seria fundamental para o mercado. No ano passado, a superintendência de planejamento e regulamentação da agência considerou o assunto superado por conta da chegada da tecnologia de eSIM.

Capital estrangeiro

Por sua vez, além de sugerir a possibilidade de fusões verticais com a extinção da proibição de propriedade cruzada na TV por assinatura – como no caso da AT&T/Time Warner -, a organização diz que o País deveria considerar remover restrições a investimentos estrangeiros diretos na radiodifusão. Conforme a legislação atual, as empresas de TV aberta brasileiras não podem ter mais de 30% do capital composto por indivíduos ou empresas estrangeiras. 

Segundo a entidade, isso “reduziria as barreiras à entrada no mercado”, incentivando investimentos e “progresso substancial no setor de radiodifusão”. Isso demandaria reforma constitucional, mas justifica que novos participantes impulsionariam a competição, e incentivaria maior disponibilidade de tecnologias. As próprias emissoras defendem essa abertura para poder competir com as over-the-tops.

“Medidas para manter a identidade nacional, promover o conteúdo local ou apoiar outros objetivos frequentemente associados com a radiodifusão, se desejadas, podem ser implementadas de maneira que promovam a neutralidade competitiva, ao mesmo tempo que garantam os benefícios dos IED [investimentos estrangeiros diretos]. Em outras palavras, as empresas devem competir com base nos seus méritos, e não receber vantagens indevidas devido à sua propriedade ou nacionalidade.”

Ponto de vista

É importante ressaltar que a OCDE é uma entidade com sede em Paris e que tem em sua composição 37 países – a maioria nações desenvolvidas, como Estados Unidos, Alemanha e outros países europeus. Apenas países corresponderam coletivamente a 62,2% do PIB nominal global em 2017, o que corresponde a US$ 49,6 trilhões.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies