Casa Tecnologia Anatel nega recurso e Claro precisará migrar serviços da banda S até 2025

Anatel nega recurso e Claro precisará migrar serviços da banda S até 2025

por Alberto Lima


Foto: Pixabay

O Conselho Diretor da Anatel negou o pedido da Claro de prorrogação dos direitos de uso de frequência na banda S para o serviço de telefonia fia (STFC) por mais 20 anos. O colegiado já havia decidido em 2019 por reduzir o prazo, mas a operadora interpôs pedido de reconsideração. Agora, com a decisão da reunião desta quinta-feira, 17, fica estabelecido que esse período será de apenas cinco anos, que serão utilizados pela empresa para migrar os usuários.

Em seu voto, o relator, conselheiro Emmanoel Campelo, pontuou que a Claro tem um número expressivo de contratos de telefonia fixa utilizando essa faixa, mas considerou que haveria muitos desses acessos sem uso, apenas ligados a combos com banda larga e TV por assinatura. Portanto, destacou que acha razoável o prazo ser menor.

O conselheiro Vicente Aquino e o conselheiro interino Raphael Garcia concordaram com o relator – o conselheiro Moisés Moreira estava ausente na reunião. Por sua vez, o presidente do Conselho, Leonardo Euler, já havia votado a matéria em 2018 no mesmo sentido, mas afirmou que adotaria os fundamentos apresentados agora por Campelo.

McDonald’s

Já no julgamento inicial, Campelo havia demonstrado indignação com a prorrogação por 20 anos do uso da frequência. O conselheiro afirma que, na época, foi voto vencido porque a proposição original era de não haver prorrogação alguma. “Fui vencido e me alinhei com a corrente de que seriam cinco anos”, disse.

De fato, ele foi contundente ao criticar o pedido em meio a um cenário de declínio do STFC, que ele afirmou ser ainda maior do que o presente nos dados da própria agência. “Os números seriam ainda mais alarmantes se não fosse a ‘McDonaldização’, em que se vendem serviços por combos. Muitos usuários sequer ligam o aparelho, mas colocam o serviço porque fica mais atrativo comprando no combo”, declarou. 

Multidestinação

Além disso, Campelo lembrou que o próprio Conselho Diretor havia aprovado em agosto a proposta de multidestinação da banda S. A agência adotou a configuração de 30 + 30 MHz nas faixas de 1.980-2.010 MHz, e na de 2.170-2.200 MHz, para serviços de celular (SMP), de Internet fixa (SCM), STFC, limitado privado (SLP) e móvel global por satélite (SMGS). 

Durante consulta pública em 2019, a Claro foi justamente uma das vozes contrárias à multidestinação, argumentando contar com operação relevante nas subfaixas de 1.900 a 1.910 MHz e 1.980 a 1.990 MHz, ainda para o STFC. A operadora apontava ainda dificuldade de convivência com serviços terrestres e satelitais. A Vivo pediu que o assunto fosse colocado em debate, e demonstrou preocupação com regras de condições de uso das faixas. 



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies