Casa Tecnologia Anatel aprova primeiras renovações sucessivas de espectro com bandas A e B

Anatel aprova primeiras renovações sucessivas de espectro com bandas A e B

por Alberto Lima


Presidente da Anatel, Leonardo Euler, durante reunião extraordinária do conselho diretor

A Anatel tomou o primeiro passo no que deverá ser o modelo regulatório para as primeiras renovações sucessivas de espectro conforme permitido no novo marco legal, a Lei 13.879/2019, e o decreto 10.402/2020 que a regulamentou. Em reunião extraordinária do conselho diretor nesta terça-feira, 29, foram aprovadas as condições e diretrizes para o refarming das bandas A e B – genericamente chamada de faixa de 850 MHz, mas que vai de 806 a 902 MHz. 

A ideia foi consolidar as outorgas, estabelecendo simplificação para a precificação, que será calculada conforme o valor presente líquido (VPL), ou seja, o valor econômico de mercado do espectro. A prorrogação será em caráter primário e até 29 de novembro de 2028.

Pelo menos 90% desse valor a ser calculado será convertido em compromissos de investimentos, sobretudo em distritos não sede com menos de 30 mil habitantes e com tecnologia 4G ou superior, mas com liberdade de usar qualquer outra frequência. Além disso, é possível cumprir compromissos com investimentos em infraestrutura de transporte (backbone e backhaul) e mesmo de banda larga fixa.

O voto que prevaleceu foi o do presidente Leonardo Euler, que alterou questões da proposta do conselheiro relator, Vicente Aquino, apresentada na reunião do último dia 17. Aquino acolheu algumas das propostas, mas recusou o uso do VPL como base de cálculo para a prorrogação do direito de uso, voto este que foi seguido pelo conselheiro Moisés. Porém, tanto o conselheiro substituto Raphael Garcia quanto o conselheiro Emmanoel Campelo acompanharam o presidente Euler. 

Abordagem por vencimento

Conforme a proposta de Euler, ficou estabelecido que a Superintendência de Outorgas e Recursos à Prestação (SOR) deverá levantar com Algar, Claro, Oi, Sercomtel, TIM e Sercomtel o interesse nas prorrogações das subfaixas com vencimento a partir de 2021. As operadoras terão 30 dias para se manifestar.

Seguindo a recomendação da Procuradoria Federal Especializada (PFE), além da SOR, as superintendências de Competição (SCP) e de Planejamento e Regulamentação (SPR) deverão adotar medidas para efetuar a metodologia do cálculo do preço público, de acordo com diferentes situações. O cálculo será por meio do VPL, ou conforme a regulação vigente.

As diretrizes são as seguintes:

  • No caso das outorgas com vencimento entre 2021 e 2024, todas elas serão consolidadas em um único termo por grupo, respeitadas as condições originais para fins de precificação;
  • Nas outorgas que ainda não tenham sido prorrogadas, ou com vencimento em 2020 ou a partir de 2025, o tratamento será caso a caso, e com cálculo por meio do VPL, a não ser que outro método também reflita o valor de mercado;
  • O valor final será no respectivo temro por grupo, bem como a cláusula de renúncia quanto à discussão do aporte;
  • Os compromissos aplicáveis de parte ou todo o valor deverão ser avaliados à luz do interesse público, considerando também aspectos de viabilidade técnica e econômica. 

Compromissos

Os compromissos de investimento “deverão ser pelo menos 90% do valor final”, como destacou Leonardo Euler. Neste contexto: 

  1. deve-se considerar compromissos de políticas públicas; 
  2. expansão da banda larga móvel com redes de acesso 4G ou superior, podendo utilizar outras faixas de operação;
  3. considerar cobertura em localidades não sede municipais – primeiro para onde não há rede móvel, depois para onde tem redes 2G, depois para redes 2G e 3G, depois para onde há apenas 3G e, finalmente, em rodovias federais;
  4. considerar os critérios de definições de localidades concomitantemente às lacunas identificadas no Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações (PERT); e
  5. as prestadoras devem compartilhar infraestruturas passivas e ativas de acordo com a regulação, incluindo a possibilidade de oferecer a usuários visitantes o uso da rede de qualquer prestadora por meio de roaming compulsório. 

Petição

Ao apresentar o voto, o presidente Leonardo Euler mencionou ainda uma petição conjunta apresentada na segunda-feira, 28, por Algar, Claro, Oi, Sercomtel, TIM e Vivo. As operadoras pediram deferimento da prorrogação, mas com a precificação em forma de ônus de 2% e nos termos do artigo 9º do regulamento do Preço Público pelo Direito de Uso de Radiofrequências (PPDUR). Por considerar que o processo é travado em nível abstrato, e as considerações não alterariam o desfecho, Euler votou por não conhecer as petições, o que foi seguido pela maioria do conselho. 



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies