Casa Ciências Algumas pessoas não sentem o odor característico de peixe

Algumas pessoas não sentem o odor característico de peixe

por Alberto Lima


Cientistas na Islândia identificaram uma mutação em gene que torna as pessoas imunes ao forte odor de peixe. Segundo o estudo publicado na Current Biology, a mutação é rara de acontecer, mas potente. Quando apresentadas ao cheiro característico de peixe, algumas pessoas que apresentam esse traço sentem um aroma de caramelo, rosas ou batatas.

O estudo avaliou cerca de 11,000 islandeses. Os participantes da pesquisa sentiram seis amostras de odores sintéticos semelhantes aos aromas de canela, hortelã, banana, regaliz, limão e peixe. Eles tinham que identificar o cheiro e avaliar sua intensidade.

Os participantes mais velhos tiveram maior dificuldade em identificar os aromas. Isso é esperado, devido ao fato de as funções sensoriais diminuírem com a idade, segundo Rósa Gísladóttir, autora do estudo. No entanto, os voluntários mais novos também não tiveram 100% de acerto, alguns confundiram o cheiro de banana e limão com o de doces, por exemplo.

Mutação no gene do cheiro

Cerca de 98% dos participantes não apresentaram a mutação. O odor característico de peixe foi o mais reconhecido e avaliado como forte e desagradável. Mas os 2% restantes da pesquisa toleraram o cheiro e até o acharam agradável, comparando com aroma de sobremesa, ketchup ou perfume de flores.  

A partir desse resultado, os cientistas identificaram a mutação que bloqueou a atividade do gene TAAR5. O gene TAAR5 atua na produção de proteína que reconhece a substância química trimetilamina, normalmente encontrada em animais fermentados e podres, assim como suor e urina.

(Alexander Zvir no Pexels)

Esse gene auxilia no reconhecimento desses odores como repulsivos, uma habilidade desenvolvida na evolução para impedir que nossos antepassados comessem comida estragada.

VEJA TAMBÉM: Pelo menos 11 espécies de peixes podem andar fora da água

No entanto, na Islândia, o forte odor de peixe não é necessariamente ruim nem deve ser evitado, na lógica evolutiva. Os islandeses se alimentam constantemente de peixes e têm famosos pratos com esse aroma, como o Hákarl, ou tubarão podre, e o peixe patim fermentado.

(Hákarl secando pendurado, na Islândia. Esta é uma iguaria feita de tubarão da Groelândia. Domínio Público, CC BY-SA 3.0)

Devido aos hábitos alimentares, os pesquisadores acreditam que fora da Islândia, a mutação no gene TAAR5 seja ainda mais rara. Eles confirmaram essa hipótese analisando as populações da Suécia, África e Sul da Europa. Mas ainda é necessário estudos em outras populações e em participantes mais diversos.

Com informações de The New York Times.



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies