Casa Tecnologia 5G da Oi utiliza parte do espectro de 2,1 GHz dedicado, e não DSS

5G da Oi utiliza parte do espectro de 2,1 GHz dedicado, e não DSS

por Alberto Lima


Diretor de marketing da Oi, Roberto Guenzburger

O início da operação comercial com 5G da Oi em Brasília nesta quarta-feira, 7, tem uma diferença em relação aos pilotos das concorrentes: não há compartilhamento dinâmico de espectro (DSS). Segundo explica ao TELETIME o diretor de marketing da operadora, Roberto Guenzburger, a empresa optou por dedicar uma porção da faixa de 2,1 GHz exclusivamente para a nova tecnologia. São 10 + 10 MHz de capacidade apenas para a quinta geração. “É um pedaço relevante da banda. Como não tem nenhum usuário [de 5G] hoje, é uma banda muito relevante”, destacou.

A Oi optou pela faixa de 2,1 GHz porque o uso dela tem caído muito com a obsolescência das tecnologias legadas de 2G e 3G nos últimos anos, diz Guenzburguer. O espectro já estava passando por refarming para o LTE-Advanced (4,5G), agregando-se com portadoras de outras frequências.

Segundo o diretor, o fato de ser uma faixa dedicada, e não compartilhada com outras tecnologias e usuários, permite um desempenho melhor – o pico de velocidade destacado pela Oi é de 500 Mbps, mas a latência não foi divulgada. “Diferente de outros trials, o que a gente fez foi segregar a faixa de 2,1 GHz e direcionar só para o 5G, é uma subfaixa. Não vai competir com usuário de 3G, que é quem normalmente usa essa banda.”

O foco inicialmente é nessa faixa de 2,1 GHz, apesar de estudos preliminares terem sido na faixa de 1,8 GHz (e para FWA). Não significa que será a única frequência: a operadora ainda está estudando se vai participar do leilão de 5G no ano que vem. “Ainda está em aberto”, confirma.

Vale notar que, por não ser o padrão 5G standalone (NSA), o serviço de voz cai para o 2G, embora exista a possibilidade de utilizar a rede de dados como no VoLTE em 4G.

Infraestrutura

Roberto Guenzburger destaca que o uso da faixa de 2,1 GHz permitiu também uma cobertura mais avançada em Brasília, chegando a 80% da população, incluindo cidades-satélites. A escolha da capital federal foi justamente por conta da ampla infraestrutura de fibra já existente para atendimento a governo, residencial (FTTH) e corporativo. Com essa rede ótica, a empresa conecta os 300 sites instalados para ofertar o 5G.

O fornecedor escolhido para esta etapa é a Huawei, com quem a Oi já estava executando projeto piloto em Búzios (RJ). Não houve, porém, uma simples “mudança de chave” em nível de software para ativar a rede: foi necessário instalar equipamentos. “A gente fez um upgrade da rede. A Huawei, junto com a nossa engenharia, fez isso para atualizar a rede 4G para 4,5G, e também instalamos o 5G. Mas a antena é dedicada para a tecnologia”.

No entanto, o diretor de marketing diz que a operadora está “testando outras soluções com outros fornecedores”, e que as próximas localidades atualmente em estudos para a expansão do 5G incluem Rio de Janeiro e São Paulo. “A ideia é reforçar o posicionamento da marca, gerando diferenciação, inovação, e capturando cliente de mais alto valor – coisa que em Brasília tem muito, há muita gente com renda alta”, declara Guenzburger. 

Usuário

Por sua vez, o ecossistema de smartphones também influenciou na decisão de escolher essa faixa para a reutilização na nova tecnologia. “A disponibilização de aparelhos [compatíveis] com 2.100 MHz, por questão de estratégia de outros países, é muito maior do que em 1.800 MHz, que não tem equipamentos disponíveis”, diz. Por enquanto, apenas o Motorola Edge está disponível no País com essa compatibilidade, mas a promessa é de negociar com outros fabricantes, como Samsung, Xiaomi e até mesmo a Apple, caso ela venha a apresentar de fato um novo iPhone 5G na próxima semana. 

Como a utilização do 5G é disponibilizada para qualquer usuário da Oi, os planos continuam os mesmos, incluindo as franquias. Por prever que as maiores velocidades levem a um consumo maior de dados mensais, Guenzburger diz que há um foco nos planos mais altos, de 100 GB/mês, na comunicação em lojas, incluindo publicidade na área urbana de Brasília.



Fonte Teletime

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies