Casa Ciências 14 recomendações para a proteção da biodiversidade de água doce

14 recomendações para a proteção da biodiversidade de água doce

por Alberto Lima


O ano de 2020 marca o fim da “Década da Biodiversidade das Nações Unidas”. No entanto, o relatório da ONU publicado em setembro mostra que nenhuma das 20 Metas de Biodiversidade, que foram acordadas em 2010, foi alcançada nos últimos dez anos.

Em todo o mundo, a conservação da biodiversidade, portanto, continua sendo um grande desafio – isso se aplica particularmente aos ecossistemas de água doce que até agora não são suficientemente levados em consideração nos processos políticos e regulamentações.

Uma equipe de pesquisa internacional liderada pelo IGB já emitiu 14 recomendações para acordos de acompanhamento político sobre a proteção da diversidade biológica – com foco especial na biodiversidade de água doce.

A água doce é um recurso central para os humanos e também para a natureza. No entanto, organismos vivos em rios, lagos e pântanos estão expostos a muitas pressões antrópicas: mudanças climáticas, superexploração, mudanças e perda de habitats, poluição e a ameaça de espécies invasoras estão levando a uma perda dramática de espécies e declínios populacionais. As 14 recomendações agora publicadas para a proteção global da biodiversidade de água doce são baseadas no conhecimento atual da pesquisa e na experiência prática da política e administração europeias.

A atualização de dois importantes marcos internacionais sobre biodiversidade está atualmente em preparação: a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) e a Estratégia de Biodiversidade da União Europeia (UE).

“Este é um momento importante para trazer o conhecimento científico para o processo. As estratégias e decisões políticas devem colocar um foco mais forte na ecologia única da vida de água doce e nas muitas ameaças a ela. Em regulamentações anteriores, a proteção de água doce foi frequentemente tratada em uma maneira inferior; por exemplo, as águas interiores estão incluídas nos regulamentos de terra – porque não são marinhas – porque são aquáticas. O último Relatório Planeta Vivo mostra que a perda de populações de água doce é a mais dramática – uma perda de 84 por cento entre 1970 e 2016 “, enfatiza a pesquisadora do IGB Sonja Jähnig, que liderou o estudo.

Reconhecendo as águas interiores como um verdadeiro “terceiro reino” ecológico

Para sua primeira recomendação, portanto, os autores argumentam que as águas doces devem ser consideradas como um “terceiro reino” ecológico separado ao lado da terra e do mar, com requisitos especiais de gestão em futuros acordos de biodiversidade. Por exemplo, metas específicas para ecossistemas de água doce podem ser incluídas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 6 (Água limpa e saneamento), 13 (Ação climática), 14 (Vida abaixo da água) e 15 (Vida na terra).

A Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), adotada em 1993, também combina águas interiores com áreas terrestres. O Plano Estratégico da CDB para a Biodiversidade 2011-2020 incluiu 20 metas de biodiversidade em Aichi. As metas mais importantes para água doce incluem: meta 5 (perda de habitat reduzida pela metade ou reduzida), meta 8 (poluição reduzida); alvo 9 (espécies exóticas invasoras prevenidas e controladas); alvo 11 (áreas protegidas aumentadas e melhoradas), alvo 12 (Extinção evitada).

Devem também ser estabelecidas metas adequadas de habitat de água doce em redes de áreas protegidas, como a rede europeia Natura 2000, que visa proteger os principais criadouros e locais de descanso para espécies raras e ameaçadas, e alguns tipos de habitat natural raros.

Além disso, muitos habitats de água doce importantes são negligenciados, como corpos d’água urbanos e agrícolas. A designação separada de corpos d’água fortemente modificados (HMWBs) na Diretiva Quadro da Água Europeia (DQA da UE) é um bom exemplo de como habitats artificiais ou fortemente influenciados pelo homem também podem ser levados em consideração.

“Mesmo que os resultados dos esforços internacionais de conservação tenham sido muito preocupantes até agora – nós, cientistas, continuaremos a contribuir com nossa experiência para destacar a dramática perda de biodiversidade de água doce e ajudar a mitigá-la e impedi-la. As recomendações formuladas podem ajudar a melhorar o quadro político para a proteção da biodiversidade aquática “, enfatiza Sonja Jähnig.

Isso é o que os pesquisadores recomendam aos atores da política e da administração

Visão:

1. As águas interiores são um verdadeiro “terceiro reino” ecológico ao lado da terra e do mar

2. Ecossistemas de água doce fornecem serviços ecossistêmicos vitais para os humanos.

3. A conectividade deve ser mantida em diferentes escalas espaço-temporais e dimensões hidrológicas.

4. Os corpos d’água não são ilhas isoladas na paisagem, mas refletem as influências ambientais de seus arredores. A área de captação deve, portanto, ser a base de qualquer consideração.

5. Os habitats de água doce são complexos e integrados e ligados a outros sistemas socioecológicos.

Monitoramento e gestão:

6) Na UE, a distribuição geográfica de muitas espécies aquáticas ameaçadas coincide com as áreas protegidas Natura 2000, a Convenção de Ramsar e outros acordos Uma gestão integrada mais eficaz nessas áreas beneficiaria a proteção da natureza e do clima.

7) A identificação de espécies emblemáticas carismáticas é um passo importante para aumentar a consciência sobre a crise da biodiversidade na sociedade e na política. Animais de grande porte, como golfinhos de rio, hipopótamos e esturjões, são particularmente adequados para esse fim.

8) O monitoramento e o manejo de espécies invasoras de água doce (EEI) devem ser melhorados. A lista de IAS europeias, por exemplo, baseia-se exclusivamente na avaliação de risco, mas deixa a gestão de risco para os Estados-Membros, sem coordenação regional ou europeia. A harmonização entre a CDB e os Estados contratantes da UE é urgentemente necessária.

9) Os programas de monitoramento de água doce em nível nacional e internacional são essenciais para o manejo adaptativo, mas precisam ser expandidos, coordenados e melhor financiados.

10) Os dados hidrológicos e biológicos sobre as águas interiores devem ser geridos de acordo com os princípios FAIR (localizáveis, acessíveis, interoperáveis ??e reutilizáveis), a fim de facilitar o acesso e a utilização desses dados. Isso é essencial, por exemplo, para avaliar o impacto de diferentes estressores e medidas de manejo.

11) Os programas de monitoramento devem fazer uso de métodos de pesquisa atuais e novas fontes de dados.

12) O planejamento estratégico na gestão de bacias hidrográficas deve ser promovido para equilibrar as necessidades de água das pessoas e da vida selvagem.

Ação global:

13) Os esforços nacionais e locais para proteger a biodiversidade em águas interiores devem fazer maior uso das fontes de informações globais existentes, como a Lista Vermelha da União Mundial para a Conservação (IUCN).

14) As futuras decisões políticas devem aumentar as sinergias entre a Gestão Integrada de Recursos Hídricos (GIRH) e a conservação da biodiversidade de água doce.

*Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate (Forschungsverbund Berlin e.V).



Fonte Socientifica

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de privacidade e cookies